sexta-feira, 12 de março de 2010

Finalmente, boas notícias

A crise da dívida na Grécia tem pelo menos uma vantagem: está a obrigar os países da UE e sobretudo da zona euro a reflectir como é que podem melhorar a gestão e a coordenação da zona. E, consequentemente, a integração europeia. Ou melhor: da zona euro.

Toda a conversa sobre a criação de um Fundo Monetário Europeu de resgate para os países em dificuldades de pagamentos vai no bom sentido, parece-me. Vai ser preciso alterar o Tratado de Lisboa? Pois vai, e isso só pode ser positivo, é o sinal de que a construção europeia avança e se adapta às necessidades dos seus Estados membros.

A má notícia é que a Comissão Europeia continua a reboque das ideias que vão sendo lançadas pelos governos, seja sobre o FME ou sobre o combate aos fundos altamente especulativos, incapaz de apresentar qualquer ideia federadora ou de orientar o debate. Gostaria de não estar sempre a bater na mesma tecla, mas a passividade da Comissão começa a ser verdadeiramente preocupante.

86 comentários:

A.Küttner disse...

Isabel

Acha que mesmo com a dita e mais que evidente e demasiado notória passividade da Comissão e do seu Presidente D.B, o "outro" Presidente, o tal que parecia nada valer!! consegue "empurrar o barco"?

um abraço

Augusto

O Raio disse...

Meus caros amigos,

Sinceramente fiquei um pouco deprimido com alguns dos comentários aos meus comementários e à ausencia de comentários a observações que fiz.

Parece-me óbvio que estamos a caminho e em velocidade elevada para o desastre e, pior, perante o previsível desastre,os meus caros amigos parecem a orquestra do Titanic que continuou a tocar enquanto o Titanic mergulhava nas gélidas águas do Atlântico Norte com a sua carga humana.

A Isabel diz: "Vai ser preciso alterar o Tratado de Lisboa? Pois vai, e isso só pode ser positivo, é o sinal de que a construção europeia avança e se adapta às necessidades dos seus Estados membros."

Como é possível? O Tratado de Lisboa fez a 11 de Março 100 dias e precisa de ser alterado? E a Isabel acha positivo?

My God! se eu fosse o CEO de uma empresa, encomendasse uma reestruturação da empresa a uma empresa especializada e se 100 dias depois a minha empresa estivesse de pantanas, o que fazia era procesar a empresa que tinha elaborado o plano de reestruturação!!! E a Isabel não? e o Magalhães (O Kuettner, não o computador), não? nem o Bernardo? davam os parabéns à empresa que elaborou o estudo? francamente, devem estar a gozar com a história...

Máo Zédōng também teve muitas iniciativas, O Grande Salto em Frente, as Mil Flores, a Revolução Cultural, etc. Em grande parte estas iniciativas falharam e acabaram provocando dezenas de milhões de mortos, por fome, doença ou guerras. Mas, na sua base até pareciam politicas correctas. Tal como Máo Zédōng, os membros da Convenção que elaborou a Constituição Europeia/Tratado de Lisboa e outros líderes europeus, também falharam devido à sua gritante incompetência, sim, i-n-c-o-m-p-e-t-ê-n-c-i-a.
Mas o curioso é que enquanto as iniciativas de Máo Zédōng são consideradas crimes, as do Senhor Giscard e outros até parecem ser de aplaudir! Como é possível? Que cegueira nos está a atingir?

E depois, em vez de se encarar o grave problema que o Tratado de Lisboa coloca com uma aparente indefinição de funções do Presidente do Conselho Europeu, aposta-se que este vá tomar as rédeas do poder, atropelar o Presidente da Comissão e conduzir o rebanho europeu ao paraíso, isto é, se torne um Duce.


(continua)

O Raio disse...

(continuação)

A única preocupação que parece estar ausente é o que é que acontece, isto é, que aconteceu, à democracia.

É que quando se está à beira do precipício, a última coisa que se deve fazer é dar um salto em frente...

Quanto ao Bernardo:

"« uma Europa pacífica formada por povos e nações autonomos e colaborando entre si. »
Parece-me que ja la estams mas sei que o Raio nao é da mesma opinião. "

Não, não estamos lá e não caminhamos para lá, a actual UE não é uma organização com nações colaborando entre si, a tendência é antes para a harmonização de políticas, de políticas únicas, impostas de cima e não de políticas colaborativas.

Quanto a ser pacífica, a ver vamos, seria uma anomalia histórica uma série de países entrar em empobrecimento, como está acontecer na UE e, esse empobrecimento não desembocar em guerra.

"Qualquer mudança necessita de um periodo de adaptaçao (pensem na nossa constituiçao de 1976 e o que se seguiu). "

??? a Constituição de 1976 até funcionou bem. O seu principal problema foi a sua componente ideológica de esquerda que tentou amarrar as mãos a todos os futuros governos forçando-os a uma política de esquerda.

A componente ideológica da Constituição de 1976 era fraca comparada com a do Tratado de Lisboa, embora de sinal diferente, mas com um objectivo semelhante o de amarrar para sempre os governos europeus agora a uma política altamente liberal.

O resultado será, obviamente, mau.

Para acabar recomendo que ouçam esta canção de jacques Brel, http://www.youtube.com/watch?v=QMVYjERBC5c, um dos três belgas de nomeada. Os outros são o Tintin (Kuifje) e Hercule Poirot.

É que esta canção dava um bom hino para a UE que todos os eurofanáticos podiam cantar entusiasticamente,

Rêver un impossible rêve
Porter le chagrin des départs
Brûler d'une possible fièvre
Partir où personne ne part
...
Telle est ma quête,
Suivre l'étoile
Peu m'importent mes chances
Peu m'importe le temps
Ou ma désespérance
Et puis lutter toujours
Sans questions ni repos
...
Parce qu'un malheureux
Brûle encore, bien qu'ayant tout brûlé
Brûle encore, même trop, même mal
Pour atteindre à s'en écarteler
Pour atteindre l'inaccessible étoile......

Um abraço

Alexandra disse...

Quando tenho paciencia para ler o Raio (sugestao, nao se importa de sintetizar um pouco?) fico sempre com a sensacao de que, na sua opiniao, o mundo so teria conserto se fosse governado pelo... Raio!

Bem, quanto ao objecto do texto da IAC: a forma atabalhoada como a sofisticada maquina politica europeia obtem resultados nao nos deve distrair do essencial, que e: a integracao europeia avanca, devagar mas seguramente. Avanca contra toda a ma fe e todo o cinismo em que somos prodigos. Mais que os detalhes do Como importam-me mais os resultados.

A.Küttner disse...

Alexandra

Assino por baixo o seu comentário.

akm

A.Küttner disse...

Alexandra

Assino por baixo o seu comentário.

Um abraço

Augusto

O Raio disse...

Cara Alexandra,

Sinceramente gabo-lhe a paciência que tem para ler coisas que vou escrevendo.

Tento sintetizar mas o tema é vasto, muito vasto...

Acho no entanto injusta a observação de que sou de opinião de que o Mundo só teria conserto se fosse governado por mim. Nada do que escrevi sugere isso, antes pelo contrário.

Tenho é muitas dúvidas sobre o caminho que estamos a seguir, dúvidas estas que se vão cimentando ao longo dos anos ao ver os meus temores a concretizarem-se e a ver que os que não concordam comigo fogem ao debate evitando tocar nas minhas dúvidas e objecções.

Mais, a realidade, muitas vezes ultrapassa os meus temores. Sinceramente, nunca esperei que o Tratado de Lisboa, passados só cem dias, já começasse a mostrar as suas fragilidades.

Quanto à forma atabalhoada como a sofisticada máquina política europeia obtem resultados, há aqui uma evidente contradição, um processo sofisticado não trabalha de forma atabalhoada e um funcionamento atabalhoado, de nenhuma forma é produto de um processo sofisticado.

A realidade nua e crua é que se está a brincar com o futuro de uns 500 milhões de cidadãos, mais milhão menos milhão, fazendo experiências a ver o que dá e esquecendo que é criminoso brincar com o futuro das pessoas!

Sobre a integração europeia avançar devagar mas seguramente não passa de wishful thinking, a realidade é que a integração europeia avança rapidamente e de forma pouco segura.

Quanto a má fé, onde é que ela está? Naqueles que avisaram dos perigos da Moeda Única ou do Tratado de Lisboa ou dos que nos asseguraram que a Moeda Única iría impulsionar as economias, trazer mais prosperidade e empregos e de que o Tratado de Lisboa era fundamental para agilizar o processo de decisão na UE?

A mim também me importam mais os resultados do que os detalhes e os resultados são assustadores, os resultados são que desde há muito mais de um século (com excepção dos períodos de guerra) que a geração dos filhos tinha um nível superior à dos pais e a dos netos à dos avós. Isto continua em muitas partes do Mundo mas, aqui na Europa, pelo menos, acabou, a geração dos nossos filhos viverá pior do que a nossa e a dos nossos netos ainda pior. E, a culpa será nossa que esbanjamos os recursos o que lançará os nossos filhos e netos contra nós destruindo qualquer solidariedade geracional.

Isto já começa a ser dito abertamente e só serve para esconder as culpas daqueles que andaram a brincar com o nosso futuro.

Estas atitudes destroem os fundamentos das nossas sociedades e culturas e são criminosas.

Um abraço,

Alexandra disse...

La esta o Raio preocupado com a forma. Uma entidade ou organizacao pode ser sofisticada e funcionar de forma pouco eficaz. No caso da UE, isso sucede sim senhor mas podera ser o preco a pagar pelo democratico sistema de checks and balances em que todos controlam e sao controlados em simultaneo. Normal, numa Uniao com 27 culturas e historias e interesses diferentes. So no Parlamento Europeu, ha muito mais de 100 partidos politicos nacionais!

Abraco para si tambem

Alexandra disse...

Mas o que me esta a irritar/preocupar agora e o seguinte: ha pouco acabou a reuniao dos ministros das financas da UE em Bruxelas. Em vez de usarem a fundo a carta da votacao por maioria qualificada, deixaram-se influenciar pela presidencia espanhola e adiaram uma importante decisao sobre regulamentacao de fundos especulativos. Tudo para nao deixarem o coleguinha britanico isolado. Quem se esta a rir agora sao os suspeitos do costume - a tenebrosa City.

Isabel Arriaga e Cunha disse...

Alexandra

Eu, que estive a acompanhar a dita reunião, também comecei por ficar irritada, mas acabei por perceber porque é que assim foi: a presidência espanhola não quis isolar o Reino Unido num tema escaldante em vésperas de eleições. Fazê-lo, seria o mesmo que dar a vitória eleitoral de bandeja aos conservadores. Não tenho a certeza de que uma vitória conservadora seja a solução ideal para a Europa (e isto é um eufemismo).

A Espanha garante que haverá um acordo até ao fim da sua presidência, que termina a 30 de Junho. Nessa altura, já as eleições britânicas terão passado e independentemente de quem formar governo, ficará sempre isolado...

Segundo me garante quem de direito, se houver alguma concessão aos ingleses que altere o projecto de compromisso que está em cima da mesa, haverá de imediato uma minoria de bloqueio para impedir a sua aprovação.

Pode ser que seja desta que começará a haver um mínimo de regulação dos fundos especulativos. A batalha ainda não está ganha, mas ainda há esperança

Um abraço

Alexandra disse...

Obrigada. Espero que a Isabel tenha razao. Ta bem, vou conter a minha impaciencia.

Bem sei que as eleicoes britanicas estao tao proximas. Mas esta desculpa foi mil vezes invocada pelo RU (uma data de vezes pelo Blair pelo menos).

Ganhando os conservadores, ate pode ser que eles estiquem a corda, facam um referendo a participacao do pais na UE, abandonem e... God knows what!

Ao contrario de muitos, nao acredito que seja do interesse deles sairem mas ao extremarem posicoes e sairem derrotados de um exercicio de gesticulacao pode ser que crescam e esquecam o passado glorioso para se dedicarem aquilo em que sao bons. Exemplos musica, humor, desportivismo, etc

O Raio disse...

Minhas caras amigas,

Sim senhor, uma entidade ou organização pode ser sofisticada e funcionar de forma pouco eficaz. Um exemplo são certos papéis financeiros que são tão sofisticados que ninguém os percebe, acabaram por ser classificados como tóxicos e estão na génese da crise actual.

O problema foi um entendimento diferente do conteúdo semântico do termo sofisticado. Mas creio que quando se diz que a UE é uma organização sofisticada não é bem nesse sentido.

Quanto ao democratico sistema de checks and balances em que todos controlam e sao controlados em simultaneo, a existir é muito fraco pois, como se vê, democracia rima muito pouco com União Europeia. Basta comparar resultados de sondagens com votações nos parlamentos nacionais ou no Parlamento Europeu. Goste-se ou não, há uma fatia importante do eleitorado que não concorda com o caminho que está a ser seguido na UE e, mesmo sendo minoritária, deveria ter voz nos parlamentos nacionais ou no europeu o que não acontece.

Sim, no Parlamento Europeu há mais de cem partidos nacionais... e alguém quer por uma confusão destas a funcionar de forma democrática? Claro que não, a única forma da integração europeia avançar à velocidade que os entusiastas pretendem é fazendo alguns curto-circuitos à democracia. Claro que isto será pago e com juros, mais tarde...

Quanto ao problema do RU acho que a Isabel tem razão. É mesmo uma forma de procedimento vulgar na UE.
E, mais uma vez, uma forma pouco democrática pois estamos a esconder factos importantes ao eleitorado britânico e, pior, factos que poderiam influenciar as eleições! O que é que disse acima sobre a falta de democracia na UE?

Mas, não se preocupem, mesmo que os Conservadores ganhem, depois de uma fita para contentar o eleitorado, irão fazer o mesmo ou pior do que os trabalhistas, para o abismo integracionista a full speed...

A UE cairá de podre e sobre pressão popular, esperemos que não de uma forma demasiado violenta. Nenhum partido político oficial a deitará abaixo ou tirará qualquer país da UE.

Um abraço,

Isabel Arriaga e Cunha disse...

Que ingenuidade a sua, Raio: então todos os países não funcionam assim, no sentido em que evitam temas fracturantes durante as campanhas eleitorais? E deixam de ser democráticos por isso?

E onde é que está a mentira? A City de Londres sabe muito bem que, por muito que esperneie, e independentemente do partido que ganhar as eleições, não vai escapar a alguma regulação: a proposta está na mesa, só precisa de uma maioria qualificada para ser aprovada, e o Parlamento Europeu (eleito pelo povo) vai assumir uma posição ainda mais exigente. Também não há uma pressa excessiva: o PE (co-decisor) só vota a legislação em Julho.

O governo britânico está no seu pleno direito de tentar convencer os outros a mudar de ideias. Mas os outros também têm todo o direito de manter a sua posição.

Não é assim que funcionam todas as democracias normais?

Isabel Arriaga e Cunha disse...

Augusto,

desculpe, esqueci-me de responder ao seu primeiro comentário a propósito do Van Romnpuy: Sim, acho efectivamente que vai ser mesmo o Van Rompuy a "empurar o barco". Tem as qualidades e o perfil certos para isso.

Mas o que está em causa não é saber quem vai "mandar na Europa" como já vi escrito. Ninguém "manda" na Europa: o que a faz andar são as ideias capazes de gerar consensos entre Vinte e Sete países. E desde que Van Rompuy assumiu funções, a balança tem pendido para o seu lado...

Abraços

O Raio disse...

"Que ingenuidade a sua, Raio"

Concordo que sou um pouco ingénuo... e é por o ser que se tivesse havido um referendo na adesão de Portugal à CEE, teria provavelmente votado "Sim". Na altura ainda acreditava que se estava a entrar num sistema democrático e com políticos bem intencionados.

"em que evitam temas fracturantes durante as campanhas eleitorais? "

Claro que sim. E é por isso que cada vez mais o cidadão se divorcia do sistema eleitoral com abstenções atingindo valores preocupantes. Creio que foi na Eslováquia que as primeiras eleições para o PE tiveram uma abstenção à volta de 80%!

"E deixam de ser democráticos por isso?"

Claro que vão deixando de ser democráticos, por estas e outras coisas. Discursos como o de Churchill, " I have nothing to offer but blood, toil, tears, and sweat", foram de outra época, os politicos actuais divorciaram-se da realidade e, de caminho, estão a divorciar o povo da democracia.
O Século XXI afigura-se pouco democrático. No fim isto acabará muito mal.

O problema é o evitarem-se as coisas desagradáveis e passar-se o tempo a dizer que a crise já passou. Se a memória não me falha, chegou a dizer-se que a crise já passou antes mesmo dela ter começado.

Isto é gravissimo!
Se, por exemplo, quando se lançou o Euro se tivesse dito a verdade aos cidadãos, de que o Euro iria lançar alguns países em crises muito graves mas que era um instrumento fundamental para unificar a Europa, ter-se-ía aberto uma porta para tomar medidas para proteger os países periféricos que iriam sofrer com o Euro e, provavelmente os cidadãos até o aceitariam.

Mas não, a mentira actuou em grande, jurou-se a pés juntos que o Euro era um fabuloso projecto económico, um projecto inovador que nunca tinha sido tentado antes (ignorou-se a União Latina do Século XIX) e que traria inúmeras vantagens a todos os cidadãos da UE.

As vantagens, ninguém as viu. Mas as desvantagens que até não existiam, ficaram à vista de todos.

Isto é democracia? Ou saber-se que se irão tomar medidas de regulação centralizada sobre os mercados financeiros mas só falar destas medidas depois das eleições, Sim isto é democracia?

Claro que não, é enganar o cidadão, nem mais.

E depois ainda há quem se espante que o cidadão ignore as eleições e despreze os políticos?

É normal... e o pior é que a História mostra-nos que situações destas desembocam invariavelmente em violência.

Ainda sobre o Rompuy, sim, acho que ele está a empurrar o barco ignorando os avisos de que adiante se encontra o Salto Angel (Parekupa-meru)(*).

Sinceramente, esta construção de um possível culto de personalidade à volta de alguém tão desinteressante e vazio como o Rompuy, choca-me.

Mas seria conveniente arranjar-lhe um título pomposo, facilita o culto.

Na Coreia do Norte que podemos utilizar como modelo, o Kim Il-Sung era o Grande Líder. Depois de morrer, o filho, Kim Jong-Il, ficou-lhe com o trono e passou a ser designado por Querido Líder.

Para o Rompuy que acham de Pequeno Lider?


(*) Salto de Angel ou, Parekupa-meru como é conhecido localmente, é a catarata mais alta do Mundo. Tem 979 metros de altura e fica na Venezuela.

A.Küttner disse...

Isabel

Obrigado pela resposta. Claro que não será mandar, mas saber conduzir, influenciar e decidir. E esperemos que o consiga, e bem. Se DB não atina! Não seria de admirar!!

Quanto ao que a Isabel e a Alexandra escreveram estive muito atento a ler e aprendi, e espero que passo a passo, se vá conseguindo ir em frente. Mesmo sem RU!?

Quanto ao Sr. Raio, fala, fala e diz pouco! E fica sempre muito em torno do seu umbigo e das suas ideias do contra!!

Augusto

A.Küttner disse...

Isabel

Obrigado pela resposta. Claro que não será mandar, mas saber conduzir, influenciar e decidir. E esperemos que o consiga, e bem. Se DB não atina! Não seria de admirar!!

Quanto ao que a Isabel e a Alexandra escreveram estive muito atento a ler e aprendi, e espero que passo a passo, se vá conseguindo ir em frente. Mesmo sem RU!?

Quanto ao Sr. Raio, fala, fala e diz pouco! E fica sempre muito em torno do seu umbigo e das suas ideias do contra!!

Augusto

A.Küttner disse...

Isabel

Obrigado pela resposta. Claro que não será mandar, mas saber conduzir, influenciar e decidir. E esperemos que o consiga, e bem. Se DB não atina! Não seria de admirar!!

Quanto ao que a Isabel e a Alexandra escreveram estive muito atento a ler e aprendi, e espero que passo a passo, se vá conseguindo ir em frente. Mesmo sem RU!?

Quanto ao Sr. Raio, fala, fala e diz pouco! E fica sempre muito em torno do seu umbigo e das suas ideias do contra!!

Augusto

O Raio disse...

Caro A. Küttner,

Antes de entrar propriamente no assunto tenho a humildade de lhe chamar a atenção de que está pior da gaguez. Incicialmente só repetia os comentários uma vez mas agora, já os está a repetir duas vezes.

Quanto a eu falo, falo, mas não digo nada, é forte. Claro que digo o problema é outro, não digo o que o meu caro amigo quer ouvir nem me rojo aos pés do Pequeno Líder, Von Rompuy.

Mas já coloquei uma data de questões importantes, mais importantes do que saber quem vai comer quem, se é o Pequeno Líder a comer o Durão ou se é este a fazer picadinho do Pequeno Líder.

A ver os seus comentários até parece que vai tudo no melhor dos Mundos e a Europa avança para um futuro brilhante.

Só se esquece de que o progresso não deve nada aos lambe botas (sem ofensa, são duas da matina e não me ocorre outro termo), o progreso está em dívida é com aqueles que contestam as ideias feitas, lhes apontam os podres e produzem, sugerem ou incentivam outros a formar novas teorias e a apresentar novas propostas.

O pavor que transparece dos seus comentários a qualquer alteração radical da situação presente, por pior que ela esteja, de nenhuma forma augura um futuro promissor, antes pelo contrário, é tipico das forças da reacção que em todas as épocas travaram o progresso.

Um abraço,

A.Küttner disse...

Caro Sr. Raio

A sua defesa dos seus princípios, faz com que me tenha que chamar reaccionário, por eu achar que o Mundo e a Europa vão mal, mas o caminho a seguir é:
- corrigir “erros de percurso” e “nunca ser tremendamente conservador” para voltar a sua modernização para o que já não deu há 65 anos atrás! Voltar para trás não dá, que é o desejo do Sr. Raio!

Neste momento o percurso é fazer com que o que temos em mãos funcione bem, dado que todos sabemos que não está a acontecer. Temos que limar arestas, temos que conseguir fazer melhor com o que temos.

A filosofia do “quanto pior melhor!” que abunda na Grécia com um bando de anarquistas e não só a tudo destruir, não dá!
Quanto a algo que anteriormente referiu que nós devemos ter uma vida melhor que a geração anterior e por aí abaixo até todas as gerações vindouras. Não se terá esquecido que há limites para tudo? Que nem só no ter sempre mais é que lá vamos? Talvez algum “ser” transmitido geracionalmente possa obstar que se queira unicamente mais ter! Logo parar com o ter, já é bom o que temos, vamos ensinar e aprender outras coisas, que fazem falta, e conseguir manter o actual nível..
E a China, a Índia, o Brasil estão em crescimento dado a maioria da população só agora ter conseguido chegar a “algum ter”.

Teremos que ter maios nós , para manter o nosso nível de ter, que de facto não estamos a conseguir. E fazer mais e melhor, mas com o que temos, hoje, e não ontem…

Abraço

akm

O Raio disse...

Caro A.Küttner,

Eu, de nenhuma forma, quero voltar para trás! Aliás, é impossível voltar para trás...

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.


E o verdadeiro sonho é ter um Mundo em paz e progresso. O sonho não é, nem nunca será construir impérios monstruosos que só desembocam em guerras e desgraças para os pobres humanos que se encontram no meio.

A constituição da União Europeia é que seria voltar para trás pois é uma repetição da unificação alemã do Século XIX que, tal como a então CEE começou com uma inocente união aduaneira, o Zollverein, fundado em 1818 e praticamente dissolvido quando se efectivou a unificação alemã, em 1871.

De notar que o Zollverein inicial foi dissolvido em 1866 e reconstruído em 1867 noutras condições, tendo os estados participantes perdido o direito de veto... isto não recorda nada?

É um facto de que a formação do II Reich alemão deu origem a uma nação, à actual nação alemã mas isso só foi conseguido com três guerras, a primeira vencida pela Prússia/Alemanha e as duas seguintes perdidas pela Alemanha.

É claro que não tenho nada contra o adoptar-se soluções já experimentadas no passado. Mas o que é difícil é dizer que estas soluções são andar para a frente.

Não são andar para a frente nem andar para trás, são somente soluções para fazer avançar a sociedade no caminho do progresso e do bem estar. E, quando se adoptam soluções já experimentadas, é útil ver o que é que aconteceu no passado quando essas mesmas soluções foram implementadas.

E o que aconteceu com a unificação alemã deveria fazer-nos pensar muito bem antes de nos lançarmos cegamente para uma unificação europeia mais do que arriscada.

Quando falamos em que devemos corrigir erros do percurso estamos a colocar-nos na posição de que o que temos em mão é fundamentalmente bom mas que tem ainda algumas arestas que devem ser limadas.

Ora, a minha posição quanto à União Europeia é que ela não se corrige com o simples limar de algumas arestas.

Primeiro porque os seus defensores estão totalmente desacreditados pois não acertaram nem numa. Prometeram-nos mundos e fundos e, no final só nos deram suor, lágrimas e, temo que no futuro, também sangue.
Depois porque não sabemos para onde vamos. Nunca vi nenhum defensor da integração europeia dizer qual o objectivo final a que se pretende chegar. No fundo é todos ao molhe e fé em Deus.

Pretendemos formar uma confederação? Uma federação? Um estado unitário? Um conceito totalmente novo?

Era fundamental que se explicitasse para onde vamos. O Tratado de Lisboa, por exemplo, que objectivo deveria servir?

Nada disto nos é dito pelos proponentes da integração europeia. O que nos pedem, no fundo, é um cheque em branco e isso lamento mas não estou disposto a fazer.

O meu caro amigo está?

Quanto à filosofia do “quanto pior melhor!” que abunda na Grécia com um bando de anarquistas e não só a tudo destruir, não dá!

Meu caro, that´s life... é irrelevante dizermos que discordamos das atitudes dos pretensos anarquistas gregos. O melhor é irmo-nos preparando para uns pretensos anarquistas portugueses pois o que acontece é que quando se estica demasiado a corda a sociedade explode. E, no caso grego, os euro-entusiastas fizeram pior pois recusaram-se a admitir de que não existe nenhum problema grego, o que existe é um problema europeu provocado pela incapacidade de ser preverem as consequências da moeda única e de tomar, atempadamente, medidas correctivas e lançar-se o opróbio da crise para cima do povo grego.

Claro que foi o mesmo que tentar apagar um fogo com gasolina.

Um abraço,

A.Küttner de Magalhães disse...

A unificação alemã, apesar de tudo, e de ter sido um atraso a oriental, com custos, faz parte - hoje - da ocidental.

Como a Isabel e bem escreve no Público, - aprende-se muito com a Isabel Arriaga e Cunha- a Alemanha, hoje na UE está a portar-se menos bem empurrando a salvação da Grécia, para o FMI.

Nota-se que há um desnorte, mas nada implica que a solução seja desfazer a UE, acabar com a Eurolandia.

Não!

Sendo que - hoje- , não temos politicos capazes!

Só nos falta isso.

O resto, está montado, fazer pequenos ajustes, com Pessoas capazes.

Logo sem Salvadores, mas com Pessoas capazes, conseguir-se-á, tudo melhor.

Claro que se isso não acontecer, tudo vai dar muito torto, mas não por culpa do Tratado de Lisboa, do Euro, da U.E! Sim: por falta de pessoas capazes, e isso tem a ver com tudo menos com a UE!!!!!!!!!!

O Raio disse...

"A unificação alemã, apesar de tudo, e de ter sido um atraso a oriental, com custos, faz parte - hoje - da ocidental."

Eu referia-me à formação da Alemanha no Século XIX e não na reunificação pós queda do muro de Berlim.

"a Alemanha, hoje na UE está a portar-se menos bem empurrando a salvação da Grécia, para o FMI."

A salvação da Grécia??? Não, a salvação do Euro pois, o que está em causa não é a Grécia, é o Euro. O que aconteceu à Grécia era de esperar após a adesão ao Euro, era uma questão de tempo. A Grécia e a outros. À Irlanda, por exemplo e de que ninguém fala mas que apresenta indicadores poiores do que os gregos.
Outros países, como Portugal ou a Itália e também como consequência da adesão ao Euro, tiveram o seu desenvolvimento completamente travado durante uma década e evitaram a sorte da Grécia, Irlanda, etc.

"Nota-se que há um desnorte, mas nada implica que a solução seja desfazer a UE, acabar com a Eurolandia."

A única forma de salvar a UE é desfazer a Eurolândia o mais rapido que for possível pois o Euro é insustentável e, se se insistir em mante-lo, acabará por cair mas com grande estrondo e arrastando a UE com ele.

"Sendo que - hoje- , não temos politicos capazes!"

Não, não temos. E não temos porque hoje é impossível ser do arco do governo de um país europeu e, simultaneamente contestar o que está a ser feito a nível de integração europeia. E, duvido que um político capaz concorde com isto tudo.


"Claro que se isso não acontecer, tudo vai dar muito torto, mas não por culpa do Tratado de Lisboa, do Euro, da U.E! Sim: por falta de pessoas capazes, e isso tem a ver com tudo menos com a UE!!!!!!!!!!"

??? è exactamente o oposto. As Leis fundamentais devem estar tão bem feitas que permita que se aguente, por vezes um incapaz à frente do Governo. É o caso da Constituição americana.

Portanto o facto de não sermos governados por pessoas capazes é em grande parte decorrente de estarmos na UE.
E mesmo que tivessemos políticos capazes, eles nem serviriam para nada, pois o verdadeiro poder já está em Bruxelas.

A.Küttner disse...

Os politicos incapazes, não é um previlégio Pátrio, é um problema Global!!!

Tirando o Obama, mas como não o vão deixar trabalhar, dado o resto globalmente ser uma totalidade de incapazes, vai nada conseguir fazer.

Necessitamos de Pessoas capazes em todo o mundo.


E tendo-as, fazem bom trabalho, com o que temos, não vamos longe.

E poderia haver tudo o qu7e existe, se houvesse capacidades humanas de bem fazer...não há!!!

Quando como o Sr. Raio pretende, voltarmos ao escudo, à lira, à pesesta, ao marco, com tantos incapazes, vai ser lindo..................

O Raio disse...

"Os politicos incapazes, não é um previlégio Pátrio, é um problema Global!!!"

Eu não disse que era um problema pátrio, disse que era um problema europeu causado pela estrutura que a UE implementou em toda a Europa.

"Tirando o Obama"...

Esta Obamomania já me anda a irritar um pouco.
Por mim, se fosse americano até teria preferido a Hilary Clinton, mas bom, foi o que se arranjou.

Concordo no entanto que Obama me parece um pouco acima da mediocridade que assola a classe política europeia.

E o discurso de ontem sobre a reforma do sistema de saúde é um discurso bonito que vale a pena ler e reler:

....
We proved that this government - a government of the people and by the people - still works for the people.
....
When faced with crisis, we did not shrink from our challenge - we overcame it. We did not avoid our responsibility - we embraced it. We did not fear our future - we shaped it.
...

Sim, nem lhe passa pela cabeça ir a Bruxelas, de baraço ao pescoço, pedir ajuda... como se faz deste lado do Atlântico.

E é este espírito que mais admiro em Obama, há problemas? Vamos resolvê-los, democráticamente e a partir do povo. E nem por um momento duvidamos que os iremos ultrapassar! Os problemas são nossos, a responsabilidade para os resolver é nossa e o futuro é nosso.

Mas, do texto do meu caro amigo deduzo que este mundo não lhe agrada e queria mas era outro Mundo, um Mundo com políticos capazes. Mas helas, esse Mundo não existe, o único Mundo que existe é o que temos e é neste Mundo que temos de viver.

E é um Mundo com gente capaz, cidadãos e cidadãos/políticos capazes. Claro que no meio há muito incapaz mas that´s life, sempre foi assim e é um discurso completamente vazio dizermos que os nossos problemas são causados por os políticos serem incapazes.

Incapazes? E quem votou neles? não tem culpas no cartório? Sim, porque se eles estão no poleiro foi porque milhões de portugueses votaram neles. Ou então abstiveram-se e deixaram que os outros decidissem.

Chegou a altura do meu caro amigo meter a mão na consciência e assumir as culpas que lhe cabem pois ou votou num incapaz ou não votou e, com essa atitude cobarde, permitiu que outros pussessem lá em cima um incapaz.

"Quando como o Sr. Raio pretende, voltarmos ao escudo, à lira, à pesesta, ao marco, com tantos incapazes, vai ser lindo.................."

??? Meu caro, quer queira quer não o Euro está condenado, aliás, sempre esteve condenado.

E o importante é começar a precavermo-nos para o futuro pós-Euro.

E principalmente lutar contra a ideia pregrina que surgiu vinda não sei de onde, da Europa passar a ter duas moedas, o Euro e uma outra moeda para os PIIGS. Seria terrível, seria ter todas as desvantagens do Euro sem ter nenhuma das suas vantagens!

(Eu estou-me precavendo bem, coloquei as minhas economias em ouro e em cerca de um ano e meio valorizei-as em cerca de 30%... isto é, compensa não acreditar no futuro do Euro)

A. Küttner disse...

Começando pelo fim. Como sabe o ouro está sobrevalorizado, logo pode de um momento para o outro perder, mais que 30%!

Quanto ao Obama, é diferente, é capaz, é competente.

Quanto a votarmos em incompetentes! É um facto, se votámos em quem teve alguma vez poder! Claro que o fiz! Mas qual era a alternativa, não ir votar? Esperar que visse um anjo salvador?

E note-se que em dada altura tivemos políticos capazes aqui na Europa, Willy Brandt, Olaf Palm, François Mitterrand, Mário Soares – este até há 10 anos atrás, os outros são mortos!!!!.

Hoje não temos, zero! Em toda a Europa! E então????

O Raio disse...

"Como sabe o ouro está sobrevalorizado"

Problema complicado... é o ouro que está sobrevalorizado ou o Euro, Dólar, etc., que estão subvalorizadas?

Claro que posso perder dinheiro mas, para já e apostando na implosão do Euro, estou a ganhar. A minha análise talvez não seja assim tão idiota como o meu caro amigo acha.

"tivemos políticos capazes aqui na Europa, Willy Brandt, Olaf Palm, François Mitterrand, Mário Soares"

Isto lembra um pouco aquele aforismo do Oeste Americano de que um indío bom era um indío morto. Aqui seria que politico bom era político morto.

Quanto ao Mário Soares é de notar que sempre foi muito precoce, aos 20 anos já estava senil.

A.Küttner disse...

Saltando por cima dos seus considerandos, dado que quando não há outra forma de defender os pontos de vistas, insulta!!!

Gostaria de lhe dizer, que para já o seu vaticinio falhou, o Euro, ainda não é desta que acabou!!!!!

A.Küttner disse...

Saltando por cima dos seus considerandos, dado que quando não há outra forma de defender os pontos de vistas, insulta!!!

Gostaria de lhe dizer, que para já o seu vaticinio falhou, o Euro, ainda não é desta que acabou!!!!!

O Raio disse...

"quando não há outra forma de defender os pontos de vistas, insulta!!!"

Primeiro, não vejo onde está o insulto.
Em segundo lugar eu creio defender os meus pontos de vista. Se relermos estes comentários eles estão cheios de argumentos aprsentados por mim e, em seguida, ignorados.

Gostaria de lhe dizer, que para já o seu vaticinio falhou, o Euro, ainda não é desta que acabou!!!!!"

Eu não vaticinei que o Euro ía acabar. O que eu acho é que já passamos o fim do princípio e já entramos no princípio do fim.

O facto mais relevante é a Alemanha ter quebrado o Europa Uber Alles e feito um finca pé que, se corresse mal, estoiraria com tudo.

Só o facto de se ter metido o FMI num assunto interno da UE é significativo.
A Califórnia tem um credit rating de A, se não estou em erro, muito pior do que o português ou mesmo o grego e ninguém está a imaginar a Califórnia a pedir socorro ao FMI...

A.Küttner disse...

“A minha análise talvez não seja assim tão idiota como o senhor acha”
“ o Mário Soares aos 20n anos já estava senil”

O que é isto????

Quanto ao resto, pf leia a Isabel Arriaga e Cunha no Público de hoje.....

O Raio disse...

"o Mário Soares aos 20 anos já estava senil”

O que é isto????

Que o Mário Soares passou a vida a fazer disparates e disparates que nos custaram os olhos da cara.

Lembro-me de em 1968 ir a uma sessão de esclarecimento eleitoral da CEUD (Comissão Eleitoral de Unidade Democrática), lista às eleições do Marcelo Caetano e de que o Mário fazia parte.

A sessão foi no antigo cinema da Feira Popular e foi um sucesso, Pides no meio, polícia de choque nas redondezas, o folclore habitual da época.

Mas com o Mário em palco a demagogia andou à solta.

A certa altura apresentou uma proposta sensacional, vender as 600 toneladas de ouro do Banco de Portugal para financiar o desenvolvimento do país!

Só se esqueceu que o chamado Estado Novo tinha muitos defeitos mas a falta de desenvolvimento económico não era um desses defeitos. Tomara Portugal ter tido um desenvolvimento salazarista quando o Mário era Primeiro Ministro...

Claro que fiquei convencido, cheguei às eleições e votei CDE (Comissão Democrática Eleitoral), a lista parece que afecta ao PC.

Mas, há mais. Segundo contou na TV Saarsfield Cabral, o Mário quando era Primeiro Ministro, convocou a nata dos nossos economistas e perguntou-lhes o que é que achavam de Portugal pedir a adesão à então CEE.

A resposta foi negativa. Então o Mário declarou então não será por razões económicas, será por razões políticas que vou pedir a adesão à CEE.

Foi o que fez. Só que nunca disse ao povo português o que estava por detrás, o que até não fica nada bem a um democrata...

Depois, para a adesão não houve praticamente negociações, só houve cedências.
Chegou mesmo a dar uma volta pela Europa para ver se convencia os outros a deixarem Portugal entrar imediatamente e a negociar depois!

Ainda recentemente, na sua última campanha eleitoral, fez algumas declarações na sua linha demagógica habitual:

Se não fosse a UE Portugal estaria pior do que a Albania, ou, a minha favorita, se não estivessemos no Euro já cá tinhamos o FMI

Para já, como se sabe desde ontem, pode-se estar no Euro e pedir ajuda ao FMI.

Além de que o que o FMI faz é emprestar dinheiro e, para garantir este empréstimo obrigar a condições draconianas. Cujo cumprimento é voluntário, se o país não quiser cumprir não tem é o empréstimo.

Com o Banco Central Europeu é diferente, as condições ainda são mais draconianas e desiquilibradas do que as do FMI e, ainda por cima obrigatórias, se um país não cumpre é multado. E, last but not least, o BCE não empresta dinheiro nenhum!

Depois disto tudo será que o Mário merece o nosso respeito?

Aküttner disse...

Entre 1968 e 1974 Potugal teve um crescimento do PIB de 6% ao ano. Como bem sabe!

De forma alguma devido a Salazar ou a Marcelo Caetano, mas unicamete porque estávamos tão , tão atrasados que a reboque do mundo Ocidetal, crescemos tanto como os outros.
Mas com todos cresceram, a nossa diferença negativa acentuou-se, com o orgulhosamete Sós. E ficámos sempre atrasado...é uma sina que vem de longe.....muito nossa!!!

Os anos de 1974 e 1975 claro que em termos economicos são para esquecer. Mas em Revolução é normal, que assim aconteça.E ainda bem que saímos, apesar de tradiamente de ditadira, para democracia!!!

Em 18.Jul.1975 foi Mário Soares que impediu que passasemos de uma ditadura de direita para uma do PC!

Quanto a Si, como é evidente continua a chamar nomes aos outos ver: o mário, em vez de argumentar em favor do que defende! è mais facil atacar os outros do que defender o que acha ser melhor.

Quanto ao momento Europeu, é mau, mas podia ser pior! E houve apesar de tudo um recuo, da Alemanha!

Mas com é evidente, não está bem, mas não é um Salazar que se precisa!!

São de mais François Miterrand, Wlly Brandt. Olaf Palm e Mario Soares!!!

akm disse...

Entre 1968 e 1974 Potugal teve um crescimento do PIB de 6% ao ano. Como bem sabe!

De forma alguma devido a Salazar ou a Marcelo Caetano, mas unicamente porque estávamos tão , tão atrasados que a reboque do mundo Ocidetal, crescemos tanto como os outros, mas o nosso atraso já não foi recuperado.
Mas com todos cresceram, a nossa diferença negativa acentuou-se, com o orgulhosamete Sós. E ficámos sempre atrasados...é uma sina que vem de longe.....muito nossa!!!

Os anos de 1974 e 1975 claro que em termos economicos são para esquecer. Mas em Revolução é normal, que assim aconteça.E ainda bem que saímos, apesar de tardiamente de ditadura, para democracia!!!

Em 18.Jul.1975 foi Mário Soares que impediu que passassemos de uma ditadura de direita para uma do PC!

Quanto a Si, como é evidente continua a chamar nomes aos outros ver: o mário, em vez de argumentar em favor do que defende!

É-lhe mais facil atacar os outros do que defender o que acha ser melhor.

Quanto ao momento Europeu, é mau, mas podia ser pior! E houve apesar de tudo um recuo, da Alemanha!

Mas com é evidente, não está bem, mas não é um Salazar que se precisa!!

Nunca!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

São de mais François Miterrand, Wlly Brandt. Olaf Palm e Mario Soares!!!

Mas se for por onde o Sr. Raio acha que deve ir, ficará só a senhor a escrever sozinho, dado que nessa altura quem não for por si é contra si, e vai preso. Já assim foi até 25 de Abril.........................

O Raio disse...

"Entre 1968 e 1974 Potugal teve um crescimento do PIB de 6% ao ano. Como bem sabe!"

Se formos à Pordata, http://www.pordata.pt/azap_runtime/?n=4, encontramos que, de 1961 até a 1974, o PIB cresceu quase sempre a mais de 3%. As excepções foram 1969 (2,43%) e 1974 (2,91%). No resto, cresceu a mais de 10% em 1962 (10,53%), 1971 (10,49%) e 1972 (10,38%).

O crescimento era substancial e acelerou com a adesão à EFTA.

"De forma alguma devido a Salazar ou a Marcelo Caetano, mas unicamente porque estávamos tão , tão atrasados que a reboque do mundo Ocidetal, crescemos tanto como os outros, mas o nosso atraso já não foi recuperado."
Não crescemos tanto como os outros, crescemos substancialmente mais do que os outros. Se não fosse a crise de petróleo de 1973/1974 (que coincidiu com o 25 de Abril), Portugal teria atingido a média europeia lá para 1989 ou 1990.
Portugal não cresceu a reboque do mundo Ocidental, cresceu mesmo com algumas políticas erradas e com uma guerra em três frentes a devorar-nos, bem à vontade, metade do Orçamento. Portugal cresceu porque era autónomo, nem mais.

"Mas com todos cresceram, a nossa diferença negativa acentuou-se, com o orgulhosamete Sós."

??? Já cá faltava essa do orgulhosamente sós, Portugal não estava só, estava era mal acompanhado! Sob muitos aspectos estamos mais sós agora, remetidos à periferia da União Europeia, sem autonomia e com uma política externa em grande parte subordinada aos interesses da Groß-Europa!

"E ficámos sempre atrasados...é uma sina que vem de longe.....muito nossa!!!"

????? Meu caro, é tão politicamente correcto que mete raiva a um santo!

Portugal não esteve sempre atrasado.

Em 1820, por exemplo, o PIB per capita português era o quinto do Mundo, depois do inglês, canadiano, francês e holandês (o sexto era o dos Estados Unidos). E isto apesar da desgraça do Tratado de Methuen, cerca de um século antes e que impediu o nosso arranque indústrial, do terramoto de Lisboa, das invasões francesas e da independência do Brasil, nesse mesmo ano.
Depois foi o descalabro do Século XIX e das guerras liberais. Em 1910 o PIB per capita português já só era uns 20% do britânico. Mas a partir de de aí, com República ou Ditadura, com revolução ou sem revolução, com guerra ou sem guerra, o PIB português foi sempre subindo e subindo mais rapidamente do que os outros.

(continua)

O Raio disse...

(continuação)

"E ainda bem que saímos, apesar de tardiamente de ditadura, para democracia!!!"

??? Saímos? Nã... mudamos foi de ditadura...

"Em 18.Jul.1975 foi Mário Soares que impediu que passassemos de uma ditadura de direita para uma do PC! "

???? É discutível que se o PC tomasse o poder ficassemos numa ditadura pior daquela em que estamos. Mas mais discutível ainda era a de que houve qualquer hipótese de Portugal ser uma ditadura comunista. A URSS já tinha muita dificuldade em aguentar financeiramente Cuba e, a última coisa que quereria era uma outra Cuba, agora na Europa, para aguentar. A única vantagem seria apanharem a base dos Açores mas, era óbvio que os Açores declarariam a independência com apoio americano.

Essa do Mário nos ter salvo da ditadura foi uma imensa patranha para justificar o ter-nos metido noutra, a da futura UE.

"em vez de argumentar em favor do que defende! "

Eu não argumento? Boa piada! O meu caro deve estar a ver-se ao espelho!

"Mas com é evidente, não está bem, mas não é um Salazar que se precisa!!"

Claro, nem de um Salazar, nem de um Miterrand nem de nenhuns dos beatos europeus que citou.

"Mas se for por onde o Sr. Raio acha que deve ir, ficará só a senhor a escrever sozinho, dado que nessa altura quem não for por si é contra si, e vai preso. Já assim foi até 25 de Abril........................."

Não percebo muito bem ao que é que se está a referir. Mas essa de ir preso, francamente, já não é novidade para mim pois, nos tempos de Salazar fui apanhado numa manifestação e tive a honra de ser presenteado com uns dias em Caxias, fisioterapia, cabeleireiro gratuito, etc.
E tive mesmo o prazer de ver por lá o nosso amigo Mário, pouco antes de ser despachado para S. Tomé.

A.Küttner disse...

Nunca Nunca teríamos conseguido mais crescer, com o fechamento que tínhamos, com a protecção industrial, com muitos patrões e poucos empresários e gestores, mesmo que milagrosamente tivessemos tido o tino de acabar a tempo com a guerra colonial.

Nunca nos preparámos para bem desempenhar um papel de desenvolvimento sustentado, o País, chega ao 25. Abril atrasado!

E como as mentalidades não se mudam de um momento para o outro, entrámos no pós- 25 de Abril com uns dias de boa liberdade, e depois perdemos o que achavamos ter encontrado, mas porque não nos tinham pretendido estar /ser preparados!!

Quanto menos cultos, melhor!!!


Agora, estamos mal, mas mesmo assim somos o país mais rico dos Países Pobres, temos tanta tralha que tantos, tantos, tantos nem sabem se algum dia terão.

E estamos aqui a escrever isto livremente, a dizer o que pensamos e como o fazemos, algo que não estaríamos a fazer, como bem sabe antes do 25 de abril.

Continuo a ter a certeza que se hoje houvesse um Miterrand, um Kolh, um Olaf Palm, um Mario Soares, teríamos um bom caminho a percorrer!

Mas também estou certo que não vamos a sitio algum se nos voltarmos a isolar.

E acho que não aprendemos nada ao repetir erros idos.....

O Raio disse...

Sinceramente, acho que estamos num diálogo de surdos, eu falo em alhos e o meu caro amigo responde com bugalhos.

Claro que eu não concordo com o regime salazarista e até acho que, mesmo económicamente cometeu muitos erros, caso do condicionamento indústrial, campanhas do trigo, etc., etc.

Mais, apostou relativamente pouco na educação e manteve um elevado grau de analfabetismo.

Mas, o que é espantoso é que mesmo assim e com uma guerra em três frentes distantes, conseguiu aguentar a guerra com um relativo sucesso e conseguiu desenvolver o país com taxas de crescimento que, hoje, só nos podem fazer sonhar.

A pergunta de um milhão de dólares é porque é que nessa época cresciamos e cresciamos mais, muito mais que os outros e agora, com os famosos fundos europeus e sem guerra, conseguimos, nos anos bons, estagnar?

Na minha opinião foi a adesão a tudo o que cheira a política única europeia que travou o nosso desenvolvimento ao fazer-nos perder a autonomia de que gozavamos.

Claro que não consigo provar a veracidade desta asserção mas, vejo é que, sem Europa cresciamos e cresciamos bem, com Europa estagnamos.

Qualquer pessoa com um espírito minimamente científico põe, como hipótese de trabalho, será que foi a adesão à CEE/CE/UE que travou o nosso crescimento?

E, é este tema que deveria ser investigado e investigado com todo o rigor.

Mas não, nem sequer se põe esta hipótese.

E não se põe porquê? Por uma razão simples, uma razão que transparece dos seus escritos, dos da Isabel e dos outros participantes nestes comentários, a Europa não se discute (nos tempos de Salazar era Portugal não se discute) e, todo o passo para uma maior integração aceita-se entusiasticamente e acriticamente e clama-se que é um passo no bom caminho.

E voltamos aos alhos e bugalhos pois, a minha linha de raciocínio é totalmente diferente. Querem maior integraçÃo? Quais as vantagens? E quais as desvantagens? Que objectivo se querem alcançar?

Infelizmente são perguntas que nunca só fazem. Mais, só fazê-las e já cheira a enxofre.

"Quanto menos cultos, melhor!!!"

??? Quem disse isto? Algum Comissário Europeu?

"Continuo a ter a certeza que se hoje houvesse um Miterrand, um Kolh, um Olaf Palm, um Mario Soares, teríamos um bom caminho a percorrer!"

Que horror! E a democracia? É tão preciosa que deveria ser metida no cofre por tempo indeterminado!

"também estou certo que não vamos a sitio algum se nos voltarmos a isolar."

Concordo. E é mesmo esta uma das razões pelas quais mão gosto da UE. Cada vez nos afasta mais do Mundo e remete-nos para uma obscura periferia europeia.

A.Küttner de Magalhães disse...

Como é evidente os alhos e bugalhos, devem-se a posições diferentes, e cada um defende a sua.
Claro que o Sr. Raio tem boas bases e ainda bem, logo consegue ir apresentando argumentos, que são rebatíveis, mas não são disparatados.
Claro que em 1974 se não tivesse havido o 25 de Abril, hoje estaríamos ainda muito, muito muito pior, se éramos muito atrasado e hoje somos atrasados ainda estaríamos muito mais atrasados.
Penso que não podemos estar em 2010 e raciocinar como se estivéssemos em 1960. Logo tudo o que tem sido feito, tem sido o caminho possível.
Quanto ao politicamente correcto, não sou!!!!!!, até porque em outros temas não concordo com o que é favorável dizer-se:
- Não concordo com o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
- E concordo com o aborto, com o testamento vital, com a eutanásia.

Logo não estou na onda!!!!!

Isto não foi fugir ao tema, mas só rebater o seu politicamente correcto!

Neste momento, temos que ir pelas linhas que estão a ser seguidas, mas temos que ter melhores cabeças actuantes, pensantes, e ter-se a noção de que nem tudo é ter, mas antes muito é ser!
E haver pessoas novas, com ideias novas, a querer ser, ser, não só ter poder!

Isto fará a diferença, e termos que deixar de ver por lá passear sempre os mesmos, Durão, Sarkozy, Berlusconi, etc. para entrarem outros mais novos, menos interesseiros, menos televisivos…
E por falar nisso, cá dentro temos que todos falar mais em Europa, pela Europa, com a Europa e não só do nosso pequenos quintal!!

O Raio disse...

"Claro que em 1974 se não tivesse havido o 25 de Abril, hoje estaríamos ainda muito, muito muito pior"

Se não tivesse havido o 25 de Abril teria havido o 26, ou o 27 ou o 29... ou então uma alteração pacífica da situação.

Mas qualquer coisa teria havido. Os militares e o povo português aguentaram a guerra colonial, com relativo sucesso, o tempo suficiente para os políticos resolverem o problema e poderem negociar numa posição de força. Os políticos não o fizeram, as coisas estoiraram. É normal e até era previsível.

Quanto a estarmos piores, é muito discutível. Podiamos estar piores ou podiamos estar melhores, ninguém sabe.

"se éramos muito atrasado e hoje somos atrasados ainda estaríamos muito mais atrasados."

Não sei porquê. E duvido que alguém possa fazer uma afirmação deste tipo com o minimo de segurança.

"Penso que não podemos estar em 2010 e raciocinar como se estivéssemos em 1960"

Claro! Raciocinar como se estivessemos em 1960 é aceitar uma integração europeia, produto americano da II Grande Guerra e da Guerra Fria e lançado inicialmente pelo Plano Marshall.

" Logo tudo o que tem sido feito, tem sido o caminho possível. "

??? A política não é matemática, há sempre muitos caminhos possíveis e a politica é mesmo a arte de, entre os futiros possíveis, tentar escolher o que nos parece menos mau.

"Quanto ao politicamente correcto, não sou!!!!!!,"

Sorry... mas, à vista desarmada até parece.

"Não concordo com o casamento entre pessoas do mesmo sexo"

???? Estou mesmo nas tintas para isto. Eu não concordo é com o casamento civil. O casamento devia ser privado como era até ao Século XIX altura em que o Estado se decidiu meter na nossa vida privada. É que o casamento, ao contrário do que dizem para aí, não é um direito, o casamento é uma obrigação imposta pelo Estado para saber com quem se vive.
E choca-me ver cidadãos a defenderem o direito de serem controlados pelo Estado!
Eu não sou casado, nem o quero ser.

"E concordo com o aborto, com o testamento vital, com a eutanásia."

Disto discordo totalmente da eutanásia. Numa sociedade como a que temos, com a mania de privatizar tudo, incluindo a Segurança Social, a eutanásia não pode ser legalizada pois dado os lucros que ela acarretaria para as companhias de seguros, a pressão para que qualquer doente crónico se suicidasse seria terível e acabaria destruindo a nossa sociedade.

Tipo, continue a viagem para o outro lado de uma forma agradável e com o prémio que lhe damos dê um futuro melhor aos seus filhos e netos...

"temos que ir pelas linhas que estão a ser seguidas"

Se elas não estão a dar resultados o melhor é mudar de caminho. Parece-me lógico!

"cá dentro temos que todos falar mais em Europa, pela Europa, com a Europa e não só do nosso pequenos quintal!!"

Não senhor, temos é de falar mais do Mundo, estamos na era da globalização e a UE é um pequeno incidente histórico que a tenta travar.

Mas, o só se falar do que se passa cá dentro não é inocente, é o que acontece quer na Europa quer nos Estados Unidos.

O meu noticiário preferido é a Al Jazeera. Meia hora a vê-lo e o Mundo parece maior. Falam de tudo ao contrário do que acontece em qualquer país da UE ou nos Estados Unidos. A CNN dentro dos Estados Unidos é muito diferente da que vemos por cá.

Na época actual não interessa que as pessoas discutam o que interessa, é entretê-las com o Freeport, a Face Oculta, a Cinha Jardim, as namoradas do Ronaldo, etc., etc.

No tempo do Salazar eram os três F's, Fado, Futebol e Fátima. Agora diversificamos, temos o alfabeto inteiro.

Mas, como dizia aquele escrito nas paredes após o 25 de Abril, Pedimos desculpa por esta democracia, a ditadura segue dentro de momentos. E não é que seguiu mesmo?

A.Küttner disse...

De facto, estas trocas de impressões, são um autentico dialogo de surdos.
O Sr. >raio vai por um lado e eu pelo outro e não temos a minima hipotese de sequer nos cruzarmos.
Como é mais que evidente, com ideias tão diferentes, nada há a fazer, a não ser cada um ficar com as suas.

Mas!!!!!!!:::::::::::
Quanto ao casameno, como é evidente todos os que quiserem vive juntos, sem papel e sem problemas!
Todos conhecemos tantos - sexo diferente - que assim o fazem.

Quanto à Eutanásia, que prefiro chamar de Morte Assistida, quando se chega a uma Fase vegetativa, estar a manter-nos vivos, para mim, é uma desnecesidade.
E para o SNS!!!!!!!!!E prolongar a vida quando já nada se está cá a fazer, nem sequer conseguir escrever estas coisas with you...., não vale estar vivo.

Quanto ao 25 de Abril ser a 26, 27, 28....claro que não iria ter sido dado Há epoca livremente quem estava no Poder, não ter um minimo de capacidade de o querer saber largar.

Iria tudo cair de podre.Pior ainda, do que está hoje!!!!

Quanto ao mundo global, a Europa só tem espaço se for pela UE, versus: China, India, Japão, Brasil EUA!Portugal sozinho....ficção......

O Raio disse...

Caro A.Küttner,

Estive a reler o último comentário e, de caminho os anteriores.

Sinceramente, fiquei mal disposto pois, o que vi da sua parte, como da parte da Isabel, pode-se resumir no seguinte:

a) Portugal escolheu a integração europeia como estratégia de desenvolvimento;

b) Ao fim de n anos a situação é gravissima, não tendo, de forma nenhuma, sido atingidos os objectivos previstos;

c) Como solução apressa-se a integração.


??? Isto seria resível se não nos pussesse a todos no caminho da miséria.

E o que mais me espanta é que o meu caro amigo, a Isabel e outros não vejam o que está profundamente errado nesta estratégia.

Assim não vamos a nenhum lugar.

O Raio disse...

Estive a ler estes comentários todos o que me levou a publicar um artigo no meu blog (http://cabalas.blogspot.com/2010/04/o-europeismo-e-as-nossas-desgracas.html).
O artigo foi bem intencionado e se critico alguns dos participantes neste blog, fi-lo com boas intenções e desde já me penitencio.

a.küttner disse...

Sr. Raio

Tentei mas não consegui entrar no seu blog, mas pelo titulo do mesmo - blog, conjugando com o que - aqui - comenta, deve ser bombastico.

Não imagino o que terá dito da Isabel e de mim, mas por certo aguenta-se bem....

Estava a pensar no caso Inglês, por comparação......se hoje quisessem sair da U.E!
O que faziam?
Ficavam ali isolados no meio do Oceano?
Tentavam ligar-se aos EUA?

Qualquer solução seria desastrosa, logo têm que ficar na UE.

Nós, estamos pior, sempre estivemos, e que fazíamos? Sózinhos, acabávamos, iríamos ter com o Brasil e Angola?

A unica saida é a U.E.

A.Küttner

O Raio disse...

Caro a.küttner,

Não deve ter conseguido entrar no meu blog porque, por engano, copiou os parenteses. Isto também já me aconteceu.

Sem parenteses:

http://cabalas.blogspot.com/2010/04/o-europeismo-e-as-nossas-desgracas.html

ou então, http://cabalas.blogspot.com e é um dos primeiros artigos, o Europeismo e as nossas desgraças.

"deve ser bombastico"

Nã senhor, sou uma pessoa calma que gosto de analisar os problemas e de os discutir. Mais, gosto de analisar situações sem ideias preconcebidas como é o caso do meu caro amigo.

"Não imagino o que terá dito da Isabel e de mim"

Nada de especial, fui somente um pouco paternalista.

"Estava a pensar no caso Inglês, por comparação......se hoje quisessem sair da U.E!
O que faziam?"

Simples, negociavam a saída, nem os ingleses estão interessados em perder os mercados europeus nem os continentais em perder o mercado britânico. Provavelmente o único problema seria com a França e a política agricola comum que não é competitiva e os ingleses facilmente se abasteceriam noutros lados poupando uma data de dinheiro, tal como nós poderiamos e deviamos fazer.

"Ficavam ali isolados no meio do Oceano?
Tentavam ligar-se aos EUA?"

???? Uma das coisas que me faz confusão nos euro-maniacos é o medo patológico de ficar sozinho. Francamente não entendo o que é que isso significa, no Mundo actual ninguém está sózinho, todos interagem com todos.

Estamos mais sózinhos, remetidos para um canto da UE e totalmente dependentes da mafia de Bruxelas do que a Suiça ou a Noruega, a primeira da EFTA e a segunda da EEA, países que guardaram a sua autonomia e interagem com todo o Mundo sem ter de pedir o agreement a Bruxelas.

Coragem, meu caro, não tenha medo, nunca ficaremos sozinhos!


"Qualquer solução seria desastrosa, logo têm que ficar na UE."

Acho piada a estas afirmações bombasticas e não fundamentadas. A sua base é serem evidentes para os euro maniacos. Para as pessoas normais são absurdas.

"Nós, estamos pior, sempre estivemos, e que fazíamos? Sózinhos, acabávamos, iríamos ter com o Brasil e Angola?"

Sempre estivemos pior? Boa piada. Ou antes, estas afirmações, repetidas até à exaustão já me começam a parecer doentias.

Antes de aderirmos ao Euro eramos o 34º ou 35º país mais rico do Mundo, trigésimo tal entre quase duzentos. E mesmo agora, depois de dez anos de Euro, só descemos uns dez lugares o que foi notável

Dizermos que estamos mal é uma ofensa para os mais de 150 países que estão piores!

O Brasil, Angola e não só, seriam parceiros muito importantes, parceiros de que a UE nos está a afastar pois ao impor restrições às exportações brasileiros, o Brasil responde com restrições às europeias afastando-nos de um mercado em que até poderiamos ter boas hipóteses.

"A unica saida é a U.E."

Em politica há sempre muitos caminhos. Afirmações deste tipo são próprias das ditaduras.

Um abraço,

A.Küttner de Magalhães disse...

Sr. Raio

Continuando aqui por este blog, vamos sempre estar em pontos diferentes, uns a favor da UE e outros contra!

E vamos insistindo!! , sendo que: se a Euroalandia e consequentemente a U.E. se extinguirem durante os próximos 2 anos, pode o Sr. Raio cantar vitória e ensaiar o seu hipotetico modelo de desenvolvimento isolado num mundo globalizado.

E como de facto estamos em campos opostos, sem duvida, e sem possibilidade de nos encontrarmos, a não ser pela nossa derrota e consequente sua vitoria, que por cerrto a muitos agradará, entre os quais muitos nacionalistas e outros tantos extremistas!

E aqui virá a sua pergunta!

Que disparate essa de nacionalistas e extremistas?

Resposta, já:

- todos que cá dentro, no nosso Parlamento são anti-europeistas!!!!

E fico a aguardar o que virá a seguir do Sr. Raio........
A.Küttner

O Raio disse...

Caro AKM,

"se a Euroalandia e consequentemente a U.E. se extinguirem durante os próximos 2 anos, pode o Sr. Raio cantar vitória"

Primeiro, a probabilidade da UE se extinguir nos próximos dois anos é praticamente nula. Mas o mesmo já não digo do Euro...

A única hipótese da UE se extinguir nos próximos dois anos será com um banho de sangue e no meio da violência.

E certamente que nem eu nem ninguém cantará vitória, seria uma derrota para todos nós.

Quanto ao Euro, já não sei. O Euro está em muito mau estado. Tal como muitos previram e avisaram.

O que está a acontecer à Grécia e à Irlanda (embora desta não se fale) é causado por se terem abolido os instrumentos de auto-regulação que nos eram dados pelos cãmbios flexíveis. E, tal como a Grécia e a Irlanda têm as contas estragadas, a Espanha ou a Itália também as podem vir a ter ou provavelmente já têm mas estão mascaradas.

Um plano de salvamento da Itália ou da Espanha iria para as centenas de milhares de milhões de Euros. É muito pouco provável que tal se consiga arranjar o que implicaria uma cessão de pagamento da dívida por parte destes países, o afundamento completo do Euro e uma crise mundial a sério.

Isto pode acontecer mas provavelmente não provocaria, para já, o fim da UE, antes pelo contrário, numa primeira fase até poderia implicar o seu fortalecimento (embora sem o Euro).

Mas, se a UE acabar ou se, o que é mais provavel, evolua para uma área de comércio livre, certamente que não cantarei vitória pois nunca me apropriaria de uma vitória que é de todos, minha, sua, da Isabel, etc.

É que eu não vejo esta história toda em termos de Benfica e Sporting como o meu caro amigo faz, a contabilizar vitórias e derrotas.

Não, tento perceber o que seria melhor para nós todos e choca-me ver pessoas, como o meu caro amigo, a agir como Nero a tocar lira no Magnum Incendium Romae. Neste caso em discussões quase que futebolisticas enquanto o país vai ardendo e os seus melhores filhos emigrando à procura de um futuro melhor.

A situação é grave, muito grave e brincar com ela, como com estas piadas sobre nacionalistas e extremistas é quase que criminoso.

Meu caro, aconselho-o vivamente a reler o que escreveu e a procurar no meio de dezenas de comentários, uma ideia, um argumento minimamente sólido a favor das teses que defende, um argumento que vá além do pavor sem sentido de ficar sózinho.

Um abraço amigo,

A.Küttner disse...

Caro Sr. Raio

Antes de mais gostaria de dizer que não sei o que é futebol, nunca vi, nem gosto, por estranho que possa parcer, isto pela comparação Benfica - Sporting!!!!!!!!!

Quanto à situação ser GRAVE MESMO MUITO GRAVE não tenho sombra de dúvida!Infelizmente é muito, muito, muito má!

Quanto a BRINCAR COM NACIONALISMO E EXTREMISMO, não estou a brincar dado tratar-se de um ASSUNTO DEMASIADO SÉRIO!

Mas o meu amigo, por acaso anda distraído com a posição do CDS, do PC, do BE, que por eles estaríamos fora da UE? Claro que não anda!!!!

E não vejo alternativa que não, tentar ir em frente, e hoje estou convicto, que vamos ter que pensar que a as gerações que nos vão subsitituir não vão conseguir TER, TER, TER, TER uma vida melhor que a nossa!
Mas se soubermos, como ir em frente, talvez possam SER, SER, SER, SER, muito mais e muito melhor do que nos fomos e estamos a ser.

um amigo abraço

Augusto Küttner de Magalhães

O Raio disse...

Caro AKM,

Também não sou lá grande fã do futebol. Durante a minha vida vi dois desafios porque tinha uma namorada maluquinha pelo futebol... e a gente lá se vai sacrificando pelas namoradas...

Mas o que eu queria dizer é que o seu tipo de discussão sobre a UE é semelhante à do Benfiquista, Sportinguista, etc., sobre o seu clube. Sem argumentos mas com uma fé imensa de que o seu clube é o maior.

"Mas o meu amigo, por acaso anda distraído com a posição do CDS, do PC, do BE, que por eles estaríamos fora da UE? "

???? O CDS é pela UE desde que o Paulo Portas percebeu que só chegava a Ministro se fosse totalmente a favor da UE. Nem que para tal tivesse de dar uma facada nas costas do seu ex-amigo Manuel Monteiro...

O BE é 100% europeista. Uma das criticas que fazia à Constituição Europeia era a de não ir suficientemente longe no caminho da integração europeia.

Quanto ao PCP, welll, são suficientemente cobardes para evitarem falar no assunto ou , rodeiam-no, falam numa Europa mais social, etc.

Não há nenhum partido na Assembleia que coloque abertamente em cheque a UE.

Bem me farto de, quando o PCP ou aparentados marcam uma manifestação contra o Governo, de mandar mails aos meus amigos do PCP a dizer para fazerem antes a manifestação em frente do Centro Jean Monet...

"não vejo alternativa que não, tentar ir em frente"

Resumindo: O caminho seguido conduziu-nos ao desastre portanto temos de continuar por esse caminho e mesmo acelera-lo...

Se há alguma lógica neste raciocínio, lamento mas não a encontro.

Um abraço,

akm disse...

Caro Sr. Raio

Ontem ouvi partes, já não há paciência para tudo ouvir do Chefe do BE a uma entrevistadora de serviço - sempre a mesma na RTP1, e claro que foi dito que nós mandamos cá dentro, que não é Bruxelas.....e depois ninguem percebe como, e até pensam que serão governo...e depois vem as mais-valias, etc.....
Quanto ao Paulo Portas, felizmente anda mais apagado, mas seria sempre o mesmo....

O PC....está parado com décadas de atraso...

O PS e o PSD, são iguais a si proprios, mas parados também no tempo...não sabem que estamos em 2010, ou não sabem estar em 2010...

Ou seja com democarcia e só com democracia têm que vir surgindo novas personagens, para assumir o momento = hoje.Com muita DIGNIDADE!

E de facto tudo num espaço Europeu. E sem ser 6 meses de ditadura para arrumar a casa!!!!!!!

E quer goste ou não Sr. Raio, já estamos num bom patamar de "ter" pelo que as geraçoes vindouras, já não vão poder "ter" sempre mais.

Talvez um pouco de "ser".


Já sei que vai discordar de tudo e vai encontrar muitos disparates, aqui e agora, mas não vejo alternativas que não sejam no espaço em que estamos e no tempo, mudaramos de atitude.

um abraço

Augusto

O Raio disse...

Caro AKM,

Também ouvi partes da entrevista do Louçã. Note-se que o Louçã irrita-me um pouco.
Na época em que ele perdia eleições (tempos do PSR) até tinha o meu voto mas, depois afastei-me completamente devido a muita coisa, ao casamento homosexual, à eutanásia e last but not least ao seu europeismo.

É que o BE é profundamente europeista. E, não é por dizer que quem manda na nossa casa somos nós que deixa de o ser!

Esta sua afirmação espantou-me! Como é possível levar a cegueira europeista a concordar que os outros é que devem mandar em nós? A mim parecia-me uma evidência, até para os eurofanáticos. Ou já nos esquecemos do princípio da subsidariedade?

Meu caro, permita-me um conselho, tome um banho de cepticismo e faça um exercício muito importante e que até é feito em muitas escolas.

Imagine-se um profissional a quem é dada a tarefa de defender que a adesão à UE foi má para o nosso país, imagine uma argumentação e defenda essa argumentação.

É um bom exercício, activa as células cinzentas. Eu faço muitas vezes exercícios deste tipo.

Passe por escrito a sua argumentação e, passados uns dias, consulte-a e critique-a...

O Paulo Portas não anda apagado, até anda bastante activo. E ninguém lhe pode apontar o dedo como anti-europeu ou sequer euroceptico!

"O PC....está parado com décadas de atraso..."

Apre, o meu caro é um adepto ferrenho de lugares comuns!!! O PC parado? Porquê? Com décadas de atraso? Porquê?

Ou não serão os eurofanáticos que estão com décadas, isto é, com mais de um século de atraso ao tentarem impor à Europa inteira o modelo da unificação alemã de 1870 e da União Monetária latina que de 1865 a 1927 deu uma moeda única a uma data de países. Começaram por ser só a França, Belgica, Italia, and Suiça, mas depois teve as adesões da Espanha e Grécia em 1868, Roménia, Bulgaria, Venezuela, Servia, São Marino e os Estados Papais 1889. Além destes, outros países como a Albania, Indías Ocidentais dinamarquesas e outros, aderiram mais ou menos informalmente a esta União. E até os Estados Unidos chegaram a admitir aderirem tendo mesmo dado alguns passos nesse sentido.
Entretanto, por fazerem batota, os Estados Papais foram expulsos...

(continua)

O Raio disse...

(continuação)

Bom, mas voltando ao tema, quem é que está com décadas ou mesmo séculos de atraso? Os eurofanáticos ou o PC?

Quanto ao PS e ao PSD não entendo porque é que estão assim parados no tempo. Não estão nem deixam de estar. Estão é amarrados à UE que, ela sim, é que está amarrada no tempo, sem a menor perspectiva histórica, não compreendendo que entramos na época da globalização generalizada, uma globalização em que todos interagem com todos e em que as grandes construções políticas (impérios) tendem a desfazer-se.

Este movimento ficou à vista de todos no fim da I Guerra em que, na Europa, desaparecram os três grandes impérios, Alemão, Otomano e Austro-Hungaro. E o russo, não desapareceu mas converteu-se da URSS o que lhe prolongaria a agonia por quase mais um século.

De realçar que já antes, no século XIX, com o fim do Império Espanhol e o início do fim do português, esta tendência já tinha dado um ar da sua graça.

Depois da II Guerra, foi o fim do Império Britânico, do Holandês e do Japonês. O que se acelerou com a descolonização. No fim do século XX temos o fim da URSS, que já há anos que tinha entrado no estertor.

E dos dez países actualmente mais populosos, China, Indía, Estados Unidos, Indonésia, Brasil, Paquistão, Bangla Desh, Nigéria, Rússia e Japão, talvez só cheguem ao próximo século três ou quatro (Estados Unidos, Brasil, Japão e talvez Bangla Desh). Dos outros, muitos, provavelmente a maior parte, desfazer-se-ão em unidades mais pequenas.

E é num mundo assim que uns líricos querem, contra tudo e contra todos, constituir um império continental na Europa!!!


"têm que vir surgindo novas personagens, para assumir o momento = hoje.Com muita DIGNIDADE!"

Esta de salvadores, desagrada-me. Não existem nem são desejáveis salvadores. Nós e só nós é que temos de construir o nosso futuro!

"E de facto tudo num espaço Europeu."

Why? É excatamente o contrário. A Europa não cabe no actual sentido da História. Um Império à dimensão europeia só poderia existir se fosse uma ditadura, dirigida por um qualquer salvador. Se Hitler tivesse ganho a guerra provavelmente já o teriamos...
Mas, felizmente, não ganhou.

"E quer goste ou não Sr. Raio, já estamos num bom patamar de "ter" pelo que as geraçoes vindouras, já não vão poder "ter" sempre mais."


??? Claro que vão poder! É é preciso que as deixem ter.
O progresso traz-nos sempre novidades, novidades, muitas vezes nem imaginadas mas que se tornam rápidamente uma necessidade.

O meu falecido Pai, desde que eu era miudo que dizia que precisava era de um telefone que pudesse trazer no bolso. Na altura era um dito muito engraçado...

O meu caro é de um pessimismo atróz. Por si o mundo paralisava. Assim dá para compreender o seu europeismo...

"não vejo alternativas que não sejam no espaço em que estamos e no tempo"

Há sempre alternativas e só navegando entre as alternativas é que podemos progredir!

Sim, meu caro, quando diz que tenho de ir por aí, pois é o único caminho, respondo com o fim de um poema de José Régio:

...
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!

Um abraço

akm disse...

Bem, acho que sem estarmos em grandes espaços não vamos lá.

A India, China, Japao, Brasil, EUA, sao grandes espaços.
A UE! é outro. Globalização ao que nos dizem!!!

akn

akm disse...

TER, ter, ter, já temos aqui muito!

A China, a India o Brasil estão a começar a ter, o que não tinham.

Da bicicleta ao automovel, da barraca à casa, do pão ao bife.
Nós já lá estamos!
Os nossos miudos têm que aprender a conservar melhor o que têm, a não terem sempre de tudo, sempre mais, mais, mais, se têm um Smart, querem um Mercedes. Se tem um T2 bom, querem um T4 excelete. Basta. Basta!

E sermos mais . Ser!!
Não sou crente, logo não estou a pregar, até porque os pregadores, estão um pouco desatinados.

Mas sou a favor do aborto, da morte assitida - diferente de eutanasia!

Do divorcio.

Já não do casdamento entre sexos iguais!!!!

a.küttner disse...

Quanto a competirmos, sempre dentro de um espaço alargado= UE.
Quando for possivel, que não o está a ser: beautifull = small, vale estar pequenininosssss, agora Never!

E temosn dentro do espaço Europeu, que deve ser mais politico e mais economico do nosso lado que entrar com os medicamentos da Bial, o Vinho do Porto, do Grupo Symington, os Investigadores do Ipatimup, tanto, tanto mais.

akm

a.küttner disse...

Temos que permitir que Africa se desenvolva!
Em tempos assisti a uma Conferencia com Frederico Mayor que contou quando Director Geral da Unesco, que juntou meia duzia de miudos de países não desenvolvidos em Paris durante uma semana, e no fim perguntou-lhes do que mais gostaram.

O miudo do Senegal disse : le robinet.


Porquê=

- porque na sua terra a mãe tinha que todos os dias de fazer 2km para lá e 2kms para cá para ir buscar água que tinha que ferver para beberem...e ali em Paris tinha le robinet que lhe dava água ali...abrir e saía a agua!!!!


Temos que usar a Cifial para vender torneiras para Africa, e nós já temos tanto, que temos que saber como conseguir SUSTENTABILIDAE, SUSTENTABILIDADE para manter esta qualidade.
E exportando, dentro de um espaço grande para um espaço grande!!!

a.küttner

a.küttner disse...

E os nossos jovens, podem/devem saber esforçar-se para TER, TER e não lhes aparecer tudo de mão beijada!!!

Temos que mudar atitudes!!!

a.Küttner

a.küttner disse...

Não queremos nenhum Hitler Salvador, que nasceu em Abril....no dia 20!
Mas necssitamos de democraticamente, democaricamete, ter gente de mais valor, de mais qualidade!!!!
AKM

a.küttner disse...

Não queremos nenhum Hitler Salvador, que nasceu em Abril....no dia 20!
Mas necssitamos de democraticamente, democaricamete, ter gente de mais valor, de mais qualidade!!!!
AKM

a.küttner disse...

E aqui neste espaço estamos a necessitar que mais alguém queira entrar para ser mais que um diálogo....

a.küttner

O Raio disse...

Realmente, felizmente boas notícias.

Na recente super reunião em Washington, Obama teve reuniões privadas com vários lideres (Cazaquistão, África do Sul, Paquistão, Nigéria, Jordânia, etc.), mas o nosso Presidente, Van Rompuy, nicles, Obama limitou-se a apertar-lhe a mão pois estava sem tempo para mais dado que tinha de receber pessoas muito mais importantes, como os líderes do Cazaquistão ou da Jordânia.

Isto só mostra o desprezo a que o pequeno líder é votado do outro lado do Atlântico e também mostra o erro que foi terem-no escolhido para o lugar e, last but not least, a forma como ele é olhado neste blog, como se fosse alguém importante, está totalmente divorciada da realidade.

O Raio disse...

Caro AKM,

Pelos vistos pu-lo a soluçãr... foi involuntário. Sorry.

"sem estarmos em grandes espaços não vamos lá"

Exacto. E devemos estar no maior dos espaços, o Mundo.

"TER, ter, ter, já temos aqui muito!"

???? Meu caro, experimente dar um passeio por um bairro da lata dos arredores de Lisboa. Ou visitar um asilo de velhos abandonados... eu já fiz estas coisas e é por isso que nunca diria as enormidades que o meu caro amigo acaba de dizer.

"entrar com os medicamentos da Bial, o Vinho do Porto, do Grupo Symington

Para tal a UE não nos serve de nada. A EEA ou mesmo a EFTA eram suficientes.

Mas ainda quanto ao tal ter

O tipo de sociedade capitalista em que vivemos, e em que Bruxelas insiste, pressupóe um crescimento constante. As paragens ou mesmo abransamentos são catasreóficas.


Um abraço,

Küttner disse...

Caro Sr. Raio

Não entendi o que quer dizer ao me sugerir que vá ver um Bairro de Lata ou um Lar de Idosos abandonados?

Não me diga que isso é por culpa da UE?

Já agora outra questão? Acha que temos outra/alguma alternativa ao capitalismo? se sim! qual?

Para já tenho que entender o que não entendi...

um abraço

Küttner

O Raio disse...

Caro Señor Küttner,

"Não entendi o que quer dizer ao me sugerir que vá ver um Bairro de Lata ou um Lar de Idosos abandonados?"

Para não dizer que o problema não é o TER, como se já tivessemos tudo!

"Não me diga que isso é por culpa da UE?"

Não me referia a isto. Mas já que levanta o problema e dado que muito mais de metade da nossa legislação vem de Bruxelas e de Estrasburgo e dado que a política financeira vem de Frankfurt, tem-se que quem realmente nos governa é Bruxelas/Estrasburo/Frankfurt e, portanto, estas entidades de nenhuma forma podem lavar as mãos das nossas misérias...

"Acha que temos outra/alguma alternativa ao capitalismo? se sim! qual?"

Bom, o capitalismo, em si, é um termo muito vago! Não corresponde a nenhuma teoria política estruturada e, sob este chapéu cabe muita coisa, desde o liberalismo da Escola de Chicago até países muito mais controlados como Singapura ou a China.

De qualquer forma o sistema actual é insustentável. Em princípio o tal capitalismo é autoregulável, a mão invisível do mercado, depois conclui-se que deixado sózinho é catastrófico e inventam-se n organismos reguladores ditos independentes o que, em si, é a negação do capitalismo tal cómo teoricamente nos é apresentado.

Na prática vivemos num sistema absurdo, com empresas tbtf (too big to fail) que enquanto dão lucro enchem uma data de malta e, depois, quando estoiram, como não podem parar, lá vem o Estado dar-lhes a mão. Num fundo vivemos num regime misto, o socialismo para os ricos e o capitalismo para os pobres...

Antes que reclame do que acabo de escrever, responda-me só se seria possível que a REN (Rede Eléctrica Nacional) abrisse falência?

Um abraço,

küttner disse...

Acabo de ler um artigo de destes economistas sonantes que tudo prevêem menos o que deviam prever, que pergunta se vai agora falir Portugal ou Espanha? ora como a REN está cá dentro....vai no pacote.

No que o meu Amigo refere quanto aos males do capitalismo, como é mais que evidente, tenho que estar de acordo consigo SEM DUVIDA!
Mas o que me assusta no genero de teorias que defende, é que não dá uma saída viável.

E deixe-me dar uma dica! Regulação. Regulação.
Bom senso. Bom senso,. Cuidado. Cautelas!

Não quis entrar no politicamete correcto que todos andam a dizer do do senhor da edp ganhar o que ganhou.

Mas dei comigo a pensar em algo que não sei responder e talvez saiba por mim.

Alguem que recebe todo aquele dinheiro, não fica desconfortável, ao olhar em redor e ver Pessoas que não têm dinheiro para comer ao dia 21 de cada mês, mesmo trabalhando muito?

E eu aqui penso= a raça humana é um lixo. o ser humano é uma trampa!

Logo trtemos que moldar esta trampa que somos nós proprios!!1

Como???
A.Küttner

O Raio disse...

"pergunta se vai agora falir Portugal ou Espanha? ora como a REN está cá dentro....vai no pacote."

Estamos a falar de coisas completamente diferentes!
Depois de anos a dizer-se que felizmente que temos o Euro senão os especuladores já teriam atacado o Escudo, descobrimos que estamos ao abrigo de uma especulação pouco rendosa ao Escudo e estamos expostos a uma muito mais rendosa especulação, a especulação ao Euro. Na prática fazem-se subir indirectamente os juros a que se empresta dinheiro a Portugal inventando um risco que dificilmente existiria, o de Portugal falhar o pagamento da dívida.
Isto nada tem a ver com as empresas portuguesas excepto no tocante a estas se financiarem no mercado.

"Mas o que me assusta no genero de teorias que defende, é que não dá uma saída viável."

Claro que não dou, não sou nenhum John Maynard Keynes...

Mas, para começar, acho que as tbtf deviam ser objecto de uma atenção especial.
Tenho dúvidas que a solução seria nacionaliza-las todas. Embora esta solução não me chocasse.
Na minha opinião, o mínimo que deveria haver era o Estado ter golden shares nestas empresas onde colocasse administradores da sua confiança política de modo a não ser surpreendido como geralmente acontece.
Ahhh! mas a sacrossanta Comissão encontra-se em guerra contra as Golden shares.

"Alguem que recebe todo aquele dinheiro, não fica desconfortável, ao olhar em redor e ver Pessoas que não têm dinheiro para comer ao dia 21 de cada mês, mesmo trabalhando muito?"

???? Não vejo porque é que se sentiria desconfortável. Eu não me sentiria...

O problema tem de ser visto de uma forma totalmente diferente. O Mexia trabalhou, fez a EDP ganhar rios de dinheiro e tem direito aos prémios previamente acordados.
Se não receber os prémios estes vão directa ou indirectamente para os acionistas e, entre dar o dinheiro a quem trabalhou ou da-lo a quem se limitou a dormir em cima dos seus papéis, eu prefiro dar o dinheiro a quem trabalhou, isto é, ao Mexia.

O problema é outro, parece que grande parte dos lucros foram conseguidos vendendo património mas, mesmo assim isso só significa que a contabilidade tem regras pouco claras, nada mais.

Por fim o Mexia vai pagar quase metade dos prémios em impostos (mais do que a empresa pagaria se não lhe desse os prémios) e ou gasta ou, o que é mais provável, investe o dinheiro dos prémios o que acabará dando emprego o muita gente.

o tipo de reparos que o meu caro amigo faz é pura demagogia.

"E eu aqui penso= a raça humana é um lixo. o ser humano é uma trampa!"


Mais uma vez, demagogia barata... o homo sapiens é lixo? é trampa?

E o Mantis religiosa (Louva-a-Deus) cuja fêmea geralmente acaba o acto sexual comendo literalmente o macho? O que é?

Somos uma entre milhões de espécies animais existentes, nada mais.

A.KÜTTNER disse...

Quanto ao Mexia, se o seu premio for sujeito a IRs, penso que é, de facto rende mais ao Estado do que se fosse lucro distribuido pelos accionistas.O economista João DDuque fez estas contas no último Expresso.


Mas alguns destes accionistas - NÃO TODOS - investiram, poupando, logo também terão direito a ser remunerados os seus capitais.
Quanto ao capital especulativo. Não devia existir, mas exitiu, existe e existirá!!!

E, meu amigo, convenhamos que eu não me sentiria bem, a andar por exemplo, não sei nem me interssa saber de que anda o Mexia, a andar de Mercedes serie S, topo da gama, e ver trabalhadores - que TRABALHAM, QUE TRABALHAM - a não ter dinheiro ao dia 20!

Quanto à raça humana - raça, não é a do Hitler!!!!Pensamos bem mais que qualquer outro ser, sabemos muito mais que qualquer outro ser. logo devíamos ser bem melhores.....

aqui a diferença!!!!!

Küttner

O Raio disse...

"Mas alguns destes accionistas - NÃO TODOS - investiram, poupando, logo também terão direito a ser remunerados os seus capitais."

Claro! Mas isso não impede que muitos recebam até mais, muito mais do que o Mexia e ninguém ache isso escandaloso. E isto descansando enquanto que o Mexia deu no duro e toda a gente fica escandalizada.

O problema é cultural. A nossa matriz cristã/católica, sempre achou o dinheiro um pouco pecaminoso e é isto que está à mostra nas reacções todas contra o Mexia.

Por mim, a quem o pecado dá uma certa volúpia, são coisas que não me escandalizam. Escandalizam-me mais certos políticos/comentadores/jornalistas num certo sentido sedentos de poder que, apesar de já estar á vista de todos que a adesão ao Euro nos está a conduzir pelo cano abaixo, continuem a recusar-se a analisar, sequer, o problema do Euro e como é que nós vamos sair desta, aliviando as suas responsabilidades e mandando a culpas para cima do povo português com disparates no estilo de gastamos acima das nossas possibilidades.

E é isto que eu acho grave, casos como o do Mexia e outros só servem para nos distrair, arranjar bodes expiatórios e afastar-nos do cerne do problema, que fazer ao Euro!

"a andar de Mercedes serie S, topo da gama, e ver trabalhadores - que TRABALHAM, QUE TRABALHAM - a não ter dinheiro ao dia 20!"

Bom, eu ando num SUV topo de gama, embora já com uma dezena de anos e se é verdade que há muita gente que trabalhe, trabalhe e não tenha dinheiro no dia 20, há também os que já não têm dinheiro no dia dez e há os que nunca têm dinheiro como eu já vi em muitos lados (Índia, por exemplo). Mas ande ou não de SUV (e a encher a atmosfera de um delicioso CO2 que fortalece as árvores e enfurece alguns cavalheiros) a situação dos tais trabalhadores não se altera. Tal como não se alteraria se o Mexia não tivesse recebido prémio algum.

Em vez de entrarmos em demagogias o importante é analisar os problemas, as suas causas e agir em conformidade, por exemplo, nas poucas alturas em que nos é pedida a nossa opinião (eleições) darmos o nosso voto no que parecer não alinhar em pseudo-projectos grandiosos mas que acabam afogado-nos a todos.

"Quanto à raça humana - raça, não é a do Hitler!!!!Pensamos bem mais que qualquer outro ser, sabemos muito mais que qualquer outro ser. logo devíamos ser bem melhores....."

Sinceramente, não sei se os outros seres pensam ou não, mas, adiante.

O problema é outro, ser melhor que é uma relação de ordem, é uma relação binária definida num dado conjunto.
Isto é, dado o conjunto de todas as espécies, a cada par de espécies, (a,b), fazemos corresponder uma, a, por exemplo e dizemos então que a é melhor que b.

Por outras palavras, não existe melhor em termos absolutos!

E quanto à espécie humana, o que podemos dizer é que é melhor do que as outras e, mais, a espécie humana do Século XX é melhor do que a espécie humana do Século XV, por exemplo. O resto da conversa é retórica sem sentido.

Um abraço,

a.Küttner disse...

Não uso a tactica do ataque!Mas...

Se a especie humana, hoje - dia de Hitler,- não me apetece repetir "raça" pode dar confusão, tivesse um melhor uso do seu poder de bem raciocinar, não se deixava tanto ir só pelo poder pelo poder!

Pelo que não sei se estamos melhor com o andar dos seculos. Temos acesso a coisas melhores, sabemos mais, mas...será que isso implica sabermos aproveitar o que temos e como temos? Acho que não.

Tentei nunca me deixar ir pelo Mexia, até o ouvi há duas semanas aqui numa Conferencia e achei interessante o que disse. Mas quando se fala, fala, fala, temos que achar que de facto, é muito dinheiro para um só quando tantos vão tão mal!!!

Quantos deram também no duro, e nada receberam? Sorte?? Talvez....

Mas será que a sorte, implica que uns nada possam ter??

Sou totalmete contra "tudo igual", todos iguais" Never!

Somos diferentes, rttemos que saber viver com diversas hierarquias e diveros "ter", mas tudo tem o seu limite, o seu decoro....

Quanto a eleiçoes e escolhas, se não houver por onde escolher, vai-se para o menos mau.....

abraço

a.Küttner disse...

Não uso a tactica do ataque!Mas...

Se a especie humana, hoje - dia de Hitler,- não me apetece repetir "raça" pode dar confusão, tivesse um melhor uso do seu poder de bem raciocinar, não se deixava tanto ir só pelo poder pelo poder!

Pelo que não sei se estamos melhor com o andar dos seculos. Temos acesso a coisas melhores, sabemos mais, mas...será que isso implica sabermos aproveitar o que temos e como temos? Acho que não.

Tentei nunca me deixar ir pelo Mexia, até o ouvi há duas semanas aqui numa Conferencia e achei interessante o que disse. Mas quando se fala, fala, fala, temos que achar que de facto, é muito dinheiro para um só quando tantos vão tão mal!!!

Quantos deram também no duro, e nada receberam? Sorte?? Talvez....

Mas será que a sorte, implica que uns nada possam ter??

Sou totalmete contra "tudo igual", todos iguais" Never!

Somos diferentes, rttemos que saber viver com diversas hierarquias e diveros "ter", mas tudo tem o seu limite, o seu decoro....

Quanto a eleiçoes e escolhas, se não houver por onde escolher, vai-se para o menos mau.....

abraço

O Raio disse...

"Não uso a tactica do ataque!Mas..."

Eu uso. A melhor defesa é o ataque!
E é por esta e outras que acho criminosa a atitude de certos políticos como os nossos Ministros e até o nosso Presidente da República que quando já se torna evidente que a adesão ao Euro foi um erro craso e que estamos numa situação insustentável, em vez de aguardar calmamente que os outros nos culpem de tudo e nos expulsem do Euro, deixando uma mácula idelével na reputação do país, não prefiram o ataque e digam alto e a bom som que o Euro foi uma fraude e que vamos sair e que quem quer sair tem direito a sair e que os países que ganharam com o Euro devem contribuir com fundos para os custos da saída!

"um melhor uso do seu poder de bem raciocinar, não se deixava tanto ir só pelo poder pelo poder!"

Meu caro, olhe-se ao espelho! E, diga sinceramente se se revê neste escrito de Darwin:

Tentei persistentemente conservar o meu espírito sempre livre de modo a abandonar qualquer hipótese, por muito grata que me fosse (e não posso resistir a esboçar uma a respeito de cada assunto), logo que os factos se mostrassem opostos a ela.

Eu acho que me revejo e também acho que é esta uma das grandes conquistas da civilização, uma das conquistas que nos permitem progredir e que infelizmente, para muitos, está a cair em desuso. Não é?

"Pelo que não sei se estamos melhor com o andar dos seculos."

Claro que estamos. a Santa Inquisição, por exemplo, hoje seria impensável (espero).

"temos que achar que de facto, é muito dinheiro para um só quando tantos vão tão mal!!!"

Meu caro, o Mexia são trocos...

Basta ir à lista da Forbes dos ricaços de 2010:

1º Carlos Slim (México), 70 anos, USD$53.500 milhões, ou seja, 764 milhões por ano começando a trabalhar desde que nasceu;

2º Bill Gates (USA), 54 anos, USD$53.000 milhões, 981 milhões por ano;

3º Mukesh Ambani (Indía), 52 anos, USD$29.000, 557 milhões por anos;
...
8º Eike Batista (Brasil), 53 anos, USD$27.000, 509 milhões por ano;
...
24º Larry Page (USA, da Google), 37 anos, USD$17.500 milhões, 473 milhõs por ano;
...
212º Mark Zuckerberg (USA, Facebook), 25 anos, USD$4.000 milhões, 160 milhões por ano;

212º Américo Amorim (Portugal), 75 anos, USD$4.000 milhões, 53 milhões por ano;
...
655º Belmiro de Azevedo, (Portugal), 75 anos, USD$1.500 milhões, 20 milhões por ano.

Em resumo, nesta lista há muitos que ganham mais por dia do que o Mexia ganha por ano e depois há quem se vire contra o Mexia? Ridículo! E, na minha modesta opinião só pode ser por manifesta desonestidade (tentarem desviar-nos as atenções) ou por injeja o que, como sabemos, é um pecado mortal.

Eu, por mim, se ganhasse o mesmo que o Mexia iria utilizar esse dinheiro para fazer o bem. Começava por ajudar a pagar os vencimentos dos trabalhadores de Bora Bora indo lá passar um mesito de férias...

"Mas será que a sorte, implica que uns nada possam ter??"

O sistema politico económico instituído é que conduz a isso.

Um abraço,

A.Küttner disse...

Como se sai hoje assim facilmente do Euro??
Não me responda, saindo!

Na prática; como?

- retomamos o Escudo!
- acabamos com o Euro.

Quem paga!!!!, a mudança total não só da moeda, como de tudo que com a mesdma se relociona, preços, marcaçoes, etc, etc.??

------------

O PM e o PR aparecerem logo na TV a dizer que estamos feitos ao bife, e vamos sair do Euro!!! seria interssante....teriam que por o Exercito ou os submarinos a tomar conta da trapalhada!!!!

Mexia trocos!! Trocos???Trocos???

Uma questão de principio, para além de trocooossss....

O Belmiro, goste-se ou não da figura, cria postos de trabalho, cria riqueza, sua, dele!!!!
O Mexia, só perde ou ganha, ou deixa de ganhar ou de perder o bonus....o Belmiro tem mais a perder.
O Belmiro ganha do que HOJE é seu, o Mexia do que é dos outros!!!

Impensável hoje, o quê?Inquisição!!!!!!!! Se mantivermos uma União na Europa, Inquisição é não provavel, se cada um puxar para seu lado, tudo é provavel.

Quanto a estar-se a fazer "render" o que a alguns interessa, evidentemente que sim.Sim, sem duvida!!! E muito mal!!!!

Mas isso faz parte do momento, cá dentro e lá fora!

A falta de liberdade de expressão, as Comissoes de tudo e mais alguma coisa!

O colocar Portugal na rampa de despiste já a seguir à Grécia.

Evidentemete que isto tem algum ojectivo. Não é gratuito!

A.Küttner

O Raio disse...

"Como se sai hoje assim facilmente do Euro??
Não me responda, saindo!"


??? Não, sai-se do Euro entrando noutra moeda! Já há mesmo precedentes, não sei se o meu caro amigo se lembra, mas há uns dez anos mudamos de moeda, saimos do escudo e entramos no Euro e, que me lembre, até correu tudo bem. Na altura, claro.

"- retomamos o Escudo!
- acabamos com o Euro."

???? Podia-ser o Escudo, o Sistércio, o Lusoeuro ou mesmo o Qwanza, tanto faz, a denominação é irrelevante.


"Quem paga!!!!, a mudança total não só da moeda, como de tudo que com a mesdma se relociona, preços, marcaçoes, etc, etc.??"

O problema é outro muito diferente, a titularização das divídas. Eu pedi Euros emprestados ao banco para comprar a casa, a moeda oficial muda e passa a ser o Qwanza-E (E de Europa). E a minha dívida? Fica em euros ou em qwanzas-E? O banco quer que fique em euros eu quero-a em qwanzas-E. Quem decide e decide de forma a nem eu nem o banco abrirmos falência?


"O PM e o PR aparecerem logo na TV a dizer que estamos feitos ao bife, e vamos sair do Euro!!! seria interssante....teriam que por o Exercito ou os submarinos a tomar conta da trapalhada!!!!"

Claro que não podiam pois se o dizessem toda a gente iria por as suas poupanças no estrangeiro.
Mas podiam ir pensando no assunto.


"Mexia trocos!! Trocos???Trocos???"

Sim, não sejamos provincianos, trocos. Qualquer traficante de drogas de relevo lá para a Colombia tem mais dinheiro do que ele.


"Uma questão de principio, para além de trocooossss...."

???? Não perturbemos a economia com a moral, filha da religião e de pai incógnito...


"O Belmiro, goste-se ou não da figura, cria postos de trabalho,"

??? E o Mexia, não cria?

"cria riqueza, sua, dele!!!!"

bah! Não digo, como Marx que a propriedade é roubo mas sinceramente não tenho grande respeito por ela. Tenho mais respeito pelos acordos feitos e pela palavra dada e, o Mexia, se recebeu o que recebeu foi porque havia um acordo.

"O Mexia, só perde ou ganha, ou deixa de ganhar ou de perder o bonus....o Belmiro tem mais a perder."

????

"O Belmiro ganha do que HOJE é seu, o Mexia do que é dos outros!!!"

O Mexia ganha com o produto do seu trabalho! E os outros só ganham se o Mexia trabalhar. Parece-me justo que fique com uma fatia.



"Impensável hoje, o quê?Inquisição!!!!!!!! Se mantivermos uma União na Europa, Inquisição é não provavel, se cada um puxar para seu lado, tudo é provavel."

É exactamente o contrário. Mas, enfim, que tal reler aquela frase do Charles Darwin?

"Evidentemete que isto tem algum ojectivo. Não é gratuito!"

O objectivo é simples, ganhar dinheiro com os juros e à nossa custa. Mas, como o tais juros são obtidos a partir de capital privado, o meu amigo deve achar muito bem. A propriedade tem de ser respeitada, o povo português que se lixe! E depois escandaliza-se com o dinheiro do Mexia? Bolas, peço desculpa pelo termo mas isso é hipocrisia!

Um abraço,

A.Küttner disse...

Estamos a andar em circulos fechados, cada um no seu, que de quando em quando se tocam.

Não defendo qualquer posição do Belmiro. Mas mesmo pagando a muitos, salários muito baixos, cria empregos nos Continentes, etc.
Claro que o capital, rende....mas.......qual outrra forma????

Utopias!!!????

Quanto a noticias que são dadas em determinadas alturas, nada têm a ver com juros; mas outros interesses:

- liberdade de expressão em POrtugal?
- Pedofilia mundial na Igreja Catolica?

Mudar de moeda? Chegava??
Iria aumentar a produtividade ter uma moeda nossa?

Abraço

O Raio disse...

"Estamos a andar em circulos fechados, cada um no seu, que de quando em quando se tocam."

Não senhor! O meu caro amigo é que se recusa a desvendar os olhos!
Nunca responde aos meus argumentos a não ser com generalidades tipo não podemos estar sós ou qualquer outra situação ainda seria pior. E, quando já não encontra mesmo nada para dizer lá vem com essa de cada um ficar na sua. Por mim acho afirmações deste tipo ofensivas.
Eu não quero ficar em nenhuma quero somente que me convençam e estou aberto a ser convencido. Só que o meu caro, nem tenta...

"Claro que o capital, rende....mas.......qual outrra forma????

Utopias!!!????"

Eu não tenho nada contra que o capital não renda. Não entendo é porque é que o capital pode ter rendimentos ilimitados sem escandalizar ninguém e o trabalho não.

Escandaliza-me muito mais o roubo nstitucionalizado dos deputados europeus que têm dado escândalo atrás de escândalo, escândalos esses que a Comunicação Social portuguesa olimpicamente ignora, que os salários do Mexia.

E, já agora, como é que o Belmiro conseguiu a sua fortuna? Que se saiba não herdou nada, o que tem foi ganho trabalhando e, portanto, deve ter tido uns salários simpáticos...

"Quanto a noticias que são dadas em determinadas alturas, nada têm a ver com juros; mas outros interesses:

- liberdade de expressão em POrtugal?
- Pedofilia mundial na Igreja Catolica?"


?????? E já cá faltava a pedofilia dos padres... pedofilia que creio não existir. Todos os casos que vi noticiados são de hebefilia e não de pedofilia...

"Mudar de moeda? Chegava??
Iria aumentar a produtividade ter uma moeda nossa? "

Claro que não chegava. Mas era muito importante pois permitia governarmo-nos a nós próprios e tomar responsabilidades pelo que fazemos.

Quanto a aumentar a produtividade, claro que sim, pois a perca de produtividade de Portugal, Grécia, espanha, etc., é devida principalmente ao Euro.

Um abraço

Isabel Arriaga e Cunha disse...

Raio, o disparate já passou há muito os limites: então o euro é responsável pelo facto de os portugueses produzirem menos por hora de trabalho que os alemães, belgas, finlandeses, ... ???? Tenha juízo, homem !

O Raio disse...

Bom, levei nas orelhas e levei nas orelhas injustamente o que me deixou muito deprimido.

"Raio, o disparate já passou há muito os limites:"

???? Que disparate? Tive cuidado com o que escrevi e não escrevi nada de muito controverso.
O que eu disse é dito por outros muito, mas mesmo muito mais qualificados do que eu.
Por exemplo, o Prof. Ferreira do Amaral, Professor Catedrático do ISE.
Será que ele também escreve disparates?

"então o euro é responsável pelo facto de os portugueses produzirem menos por hora de trabalho que os alemães, belgas, finlandeses, ... ????"

Qualquer economista ou estatístico pode verificar que a produtividade portuguesa se encontra em queda livre desde que aderimos ao Euro. A portuguesa, a espanhola, a grega, etc.

A dúvida é se é por termos aderido ao Euro ou por os governos portugueses não se terem conseguido adaptar á moeda única.

No fundo estamos perante uma falacia, a queda da produtividade é causada por termos aderido ao Euro. Quanto muito, se os governos portugueses tivessem deitado definitivamente a democracia ao lixo, instituído a Lei Marcial, cortado nos ordenados, saúde, educação, apoio ao desemprego, etc., tipo Chile do Pinochet, apesar dos aumentos das despesas da repressão, talvez a economia portuguesa estivesse melhor, mas, melhor à custa do povo português.

Seria um inferno, mas um bom inferno para as contas públicas...

Por fim faço notar que a baixa produtividade do país não é devido aos portugueses trabalharem menos ou trabalharem pior. É que há outros factores a considerar, investimentos de capital, organização do trabalho e das empresas, etc.

"Tenha juízo, homem !"

Tenho sim senhor, tenho juízo e ando com os pés bem assentes na terra e é por isso que escrevo o que escrevi.

Tenho juízo e se vivessemos em democracia tinha direito a dizer o que penso alto e bom som e ser respeitado por isso e não ser acusado de que não tenho juízo!

a.küttner disse...

Sr. Raio

Ontem o Carvalho da Silva não conseguiu - não quis - explicar ao MST, como:

- trabalhando nós mais horas, faltando menos, etc, etc, temos uma baixa produtividade!

Estamos aqui e agora na mesma quanto: ao euro e à nossa produtividade.
a.küttner

O Raio disse...

"- trabalhando nós mais horas, faltando menos, etc, etc, temos uma baixa produtividade!"

Não vi a entrevista mas espanta-me que o Carvalho da Silva não o consiga explicar.

Aqui há tempos, numa remota cidade chinesa estive a ver a construção de um passeio.

Estavam uns dez trabalhadores com martelos, mãos e pouco mais a trabalhar afanosamente.

Se fosse em Portugal teriamos um ou dois trabalhadores que construiam o mesmo passeio com uma data de máquinas e, provavelmente em menos tempo logo a produtividade dos trabalhadores portugueses era muito superior pois o produto (passeio era o mesmo).

A diferença era um maior investimento em capital (maquinaria) e em organização do trabalho. E tal como a produtividade do trabalhador português é superior á do chinês, a do alemão é á do portuchês. Simple comme bonjour

O Raio disse...

Corrigenda:

Onde está "a do alemão é á do portuchês"

Deve estar "a do alemão é à do português"

a.küttner disse...

Como é evidente, não só isso, mas mais do que isso!

Temos ainda muitos patrões, que não gestores e empresarios, e aqueles nada percebem de organização, logo ainda se faz muito de tudo em cima do joelho , sem planificação.

E temos ainda, infelizmente, muitos trabalhadores que estão muitas horas, demasiadas horas no local de trabalho, mas que rendem pouco porque foram sendo educados para lá estar muito tempo, muito tempo, mas para ir fazendo , não para fazer.

O trabalho ainda é medido por tempo que se está no local de trabalho e não pelo que bem e depessa se faz , para depois ir ter com a familia....

Temos que mudar atitudes.

A.Küttner

O Raio disse...

"E temos ainda, infelizmente, muitos trabalhadores que estão muitas horas, demasiadas horas no local de trabalho, mas que rendem pouco porque foram sendo educados para lá estar muito tempo, muito tempo, mas para ir fazendo , não para fazer. "

A ser verdade é um problema de gestão. Nem mais.
Nunca ouvi dizer que isto acontecesse no Luxemburgo onde grande parte dos trabalhadores é porttuguês.

a.küttner disse...

No Luxemburgo os trabalhador português trabalha sempre que está para trabalhar. Porque sabe que está ali para o fazer.

O trabalhador português em Portugal, bastantes vezes está bastante tempo por dia no local de trabalho a fazer menos do que podia fazer. Nunca se apercebeu disto????????????
Quanto a haver problemas de gestão, claro que também existem e muutos.

Temos ainda muitos patrões!!!!Que medem o trabalho pelas muitas, muitas, muitas horas que os seus funcionários estão dentro das suas instalações!Mesmo que nunca devessem estar lá tanto tempo!!!!!
Ainda temos muito desenrasca!!!!!

Logo o problema não é só da Gestão , também é!

O Raio disse...

"Logo o problema não é só da Gestão , também é!"

Não, o problema é só e só de gestão.

Sempre que tive cargos de chefia, os que trabalhavam sob a minha orientação trabalhavam mesmo.

Se por acaso havia qualquer coisa que impedisse o trabalho, até podia mandar o trabalhador para casa. O que raramente aconteceu.

A.Küttner disse...

Nem todos somos tão capazes, tão competentes, tão eficientes e pouco humildes como o Sr.Raio.

O Raio disse...

"Nem todos somos tão capazes, tão competentes, tão eficientes e pouco humildes como o Sr.Raio."

Puxa! Que elogio! Fico muito agradecido...

Embora vindo de quem já elogiou o Pequeno Líder pode não ser lá muito abonatório...